• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Na batalha das doações, Maduro recebe ajuda da Rússia

Presidente venezuelano segue proibindo doação americana afirmando tratar-se de um “show humanitário”
Maduro e Putin: alimentos e mísseis russos sustentam o governo do ditador venezuelano (Reuters/Yuri Kadobnov)
Maduro e Putin: alimentos e mísseis russos sustentam o governo do ditador venezuelano (Reuters/Yuri Kadobnov)
Por Redação EXAMEPublicado em 20/02/2019 06:02 | Última atualização em 20/02/2019 06:26Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Nesta quarta-feira, 20, uma leva de ajuda humanitária vinda da Rússia desembarcará em Caracas. É mais um capítulo do teatro de Nicolás Maduro para se manter no poder, e para aumentar o impasse venezuelano. Por um lado há um presidente eleito sob um processo eleitoral completamente questionável que se agarra à China e à Rússia para se manter no poder. Por outro, o autointitulado presidente Juan Guaidó, tem amplo apoio do Ocidente, mas poucos meios internos de furar a muralha de apoio de Maduro entre os militares. Enquanto a guerra de braço permanece, o país continua em crise e a população é quem paga. 

O anúncio da chegada dos suprimentos humanitários foi feito pelo próprio Nicolás Maduro na tevê estatal do país na última segunda-feira. O presidente informou que chegarão “300 toneladas de ajuda e assistência humanitária da Rússia legalmente”. Maduro também ressaltou que o auxílio que seu governo receberá hoje foi pago pelo executivo, e ainda disse ser possível que nos próximos dias outros países manifestem interesse em oferecer suprimentos à Venezuela através da ONU.

Paradoxalmente, Maduro critica as ajudas humanitárias que a Assembleia Nacional, liderada pela oposição, vem negociando com os Estados Unidos e a Colômbia. Segundo Maduro, os suprimentos recebidos por seu oponente não passam de um “show humanitário”. “É uma armadilha para caçar bobos, nos roubam 30 bilhões e nos oferecem 20 milhões em comida podre para tentar intervir na Venezuela”, disse.

O Brasil anunciou ontem que vai permitir o uso de seu território para que os Estados Unidos e a oposição tentem entregar ajuda humanitária ao país no sábado. Uma leva de mantimentos e medicamentos enviados pelos americanos segue barrada na fronteira com a cidade colombiana de Cúcuta.

A batalha das doações vai também a outros campos. Ontem, militares venezuelanos divulgaram vídeo testando equipamento de guerra russo. Os Estados Unidos volta e meia falam numa possível intervenção no país. A dúvida é como o Brasil se posicionará se a retórica passar do arroz com feijão para a doação de mísseis.