Moradores ajudam peritos nas buscas do avião na Ucrânia

Chefe da missão policial da Holanda na Ucrânia informou que investigação das causas da queda do avião da Malaysia Airlines continua em condições difíceis
 (EXAME.com)
(EXAME.com)
Por Da RedaçãoPublicado em 06/08/2014 15:05 | Última atualização em 06/08/2014 15:05Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Haia - Investigadores da Holanda, Austrália e Malásia que se encontram no local do acidente do voo MH17 no leste da Ucrânia, estão contando com a ajuda de moradores locais para encontrar os restos mortais e os objetos das vítimas, informou o ministério da Justiça da Holanda nesta quarta-feira.

"Moradores têm sido chamados para ajudar a localizar os restos mortais e pertences pessoais (dos passageiros). Eles também estão tendo a oportunidade de contar o que viram e o que sentiram durante o desastre", afirmou o ministro em comunicado divulgado em Haia.

Panfletos foram distribuídos para Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) nesta quarta-feira a moradores de Rozsypne, perto da área onde a maior parte dos destroços foi encontrada.

A investigação das causas da queda do avião da Malaysia Airlines continua em condições difíceis, informou na última terça-feira Pieter-Jaap Aalbersberg, chefe da missão policial da Holanda na Ucrânia.

Um total de 298 passageiros e tripulantes morreram com a queda do Boeing 777, que voava de Amsterdã a Kuala Lumpur há três semanas.

Os Estados Unidos afirma que insurgentes no leste da Ucrânia abateram o avião com um míssil terra-ar possivelmente fornecido pela Rússia. No entanto, Moscou e os rebeldes culpam as forças do governo ucraniano pelo acidente.

Na segunda-feira, especialistas da Malásia contribuíram pela primeira vez com a polícia da Holanda e da Austrália nas buscas.

Até o momento, 228 corpos foram mandados para a Holanda, que conta com o maior número de vítimas do acidente do dia 17 de julho.