Migrantes se amontoam na fronteira entre Eslovênia e Áustria

A Polícia austríaca impediu na última noite várias vezes entradas caóticas e forçadas por uma multidão desesperada

Zagreb - A fronteira entre Eslovênia e Áustria continua sendo nesta sexta-feira o gargalo na "rota balcânica" dos refugiados que viajam do Oriente Médio para a Europa central, com milhares de pessoas esperando ao relento, com temperaturas já quase invernais.

Segundo a imprensa de ambos os países, a Polícia austríaca impediu na última noite várias vezes entradas caóticas e forçadas por uma multidão desesperada que tentou saltar ou romper as cercas que impedem a passagem.

No entanto, a situação foi se tranquilizando durante a noite e esta manhã, segundo a emissora pública austríaca "ORF".

A agência de notícias eslovena "STA" informa que no centro de apoio de refugiados situado no lado esloveno da fronteira, na cidade de Sentilj, cerca de 4.200 pessoas passaram a noite a espera de que as autoridades austríacas voltem a admitir hoje os imigrantes.

Durante a noite chegaram à cidade eslovena de Dobova, situada perto da fronteira com a Croácia, três trens com mais de 3.000 refugiados a bordo.

Em vários centros de apoio eslovenos há cerca de 11 mil refugiados, todos com desejo de passar para a Áustria e depois Alemanha e possivelmente, para algum país escandinavo, informou a "STA".

Segundo o estipulado entre as autoridades de Eslovênia e Croácia para impedir agrupamentos e longas esperas nas fronteiras, os trens croatas levam os imigrantes diretamente a Dobova desde a fronteira croata-sérvia, após registrá-los no centro de apoio de Opatovac.

Desta forma, o trânsito de refugiados entre os dois países se desenvolve de forma mais fluente desde o começo desta semana, da mesma forma que entre Sérvia e Croácia, após acordos sobre uma mútua coordenação fechados na semana passada.

A imprensa eslovena, no entanto, informou hoje de uma situação humana muito difícil nos centros de apoio do país, que o jornal "Delo" chegou a comparar com "campos de concentração".

"As mulheres não podem ir ao banheiro já que o centro não os tem, há só um médico para milhares de pessoas, pouca comida e poucos ativistas humanitários, entre outras coisas, devido ao complicado procedimento burocrático para voluntários", como descreveu o "Delo" a situação em um centro perto da fronteira croata.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também