Mundo

Melinda Gates vai deixar Fundação Gates para focar no ‘próximo capítulo’ de sua filantropia

Organização filantrópica foi fundada em 2000 com o objetivo de lutar contra a pobreza, doenças e a desigualdade

Melinda acrescentou que ainda vai distribuir US$ 12,5 bilhões em ações filantrópicas (Jamie McCarthy/Getty Images)

Melinda acrescentou que ainda vai distribuir US$ 12,5 bilhões em ações filantrópicas (Jamie McCarthy/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 14 de maio de 2024 às 06h59.

Melinda Gates anunciou na segunda-feira que vai renunciar em 7 de junho ao posto de co-presidente da fundação filantrópica que leva seu nome e deu ex-marido, o bilionário Bill Gates. "É a hora certa de seguir em frente para o próximo capítulo de minha filantropia", disse ela num post no X.

Melinda acrescentou que ainda vai distribuir US$ 12,5 bilhões para seu trabalho de ajuda a mulheres e famílias graças a um acordo com o ex-fundador da Microsoft.


Depois do casal anunciar o divórcio em maio de 2021, Melinda French Gates disse que ficaria na organização filantrópica por dois anos e que a dupla tentaria liderar a fundação de forma conjunta.

"Sinto muito por ver Melinda sair, mas tenho certeza que ela terá um impacto enorme em seu futuro trabalho filantrópico", disse Bill Gates em comunicado.


A Fundação Bill & Melinda Gates foi fundada em 2000 com o objetivo de lutar contra a pobreza, doenças e a desigualdade pelo mundo. A organização é conhecida por sua influência nas discussões sobre saúde pública, sobretudo para erradicar o pólio e a malária.

Até o final do ano passado, a fundação havia doado US$ 77,6 bilhões desde sua fundação. Warren Buffett, um dos parceiros do então casal na empreitada filantrópica, doou US$ 39,3 bilhões à organização.

Acompanhe tudo sobre:FilantropiaBill Gates

Mais de Mundo

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, vai se declarar culpado; entenda

Suprema Corte dos EUA vai avaliar lei que proíbe tratamento hormonal para menores transexuais

Rússia ameaça EUA com 'consequências' após ataque ucraniano na Crimeia

Ex-baixista do Nirvana anuncia candidatura à presidência dos Estados Unidos

Mais na Exame