Infanta Cristina depõe; fato é crucial para Coroa Espanhola

Filha do rei da Espanha falará sobre supostos crimes fiscais no âmbito do escândalo de corrupção protagonizado por seu marido que manchou a imagem da monarquia

Palma - Diante de todos os olhares da mídia, a infanta Cristina, filha do rei da Espanha, começou a depor neste sábado perante um juiz por supostos crimes fiscais no âmbito do escândalo de corrupção protagonizado por seu marido que manchou a imagem da monarquia.

A bordo de um Ford preto, Cristina, de 48 anos, desceu pouco antes das 10h00 locais a rampa que leva à entrada do tribunal de Palma de Maiorca, nas Ilhas Baleares, onde o juiz José Castro lidera desde julho de 2010 o chamado "caso Nóos".

A infanta desceu do veículo vestida com uma calça azul, camisa branca e blazer preto, e saudou sorridente os fotógrafos e cinegrafistas antes de entrar no tribunal.

"Está tranquila", declarou à imprensa um de seus advogados de defesa, Jesús María Silva.

"Espero que justiça seja feita", afirmou Virginia López, advogada da acusação.

Mais de 200 policiais protegiam a região, fechada ao tráfego e que estava liberada apenas aos 300 jornalistas de todo o mundo credenciados para um acontecimento histórico: o interrogatório do primeiro membro da família real já acusado pela justiça.

Afastados por um cordão policial, um grupo de manifestantes segurava cartazes nos quais era possível ler "Sangue real = justiça irreal" ou "A lei é igual para todos".

"Para nós, o juiz Castro é um dos grandes da Espanha. É o único que está fazendo justiça para os espanhóis", dizia Andrés Rodríguez, um motorista de ônibus de 35 anos.

Castro busca determinar se Cristina, sétima na sucessão ao trono da Espanha, cooperou nas supostas atividades criminosas de seu marido, Iñaki Urdangarin, suspeito junto a um ex-sócio de desviar 6,1 milhões de euros (8,3 milhões de dólares) entre 2004 e 2006 mediante uma sociedade sem fins lucrativos chamada Instituto Nóos.


Sentada em uma cadeira de veludo vermelho, em uma sala presidida pelo retrato do chefe de Estado, seu pai, a infanta pretendia demonstrar sua inocência, afirmaram seus advogados, com quem esteve se preparando nos últimos dias em Barcelona, de onde viajou pela manhã para enfrentar a acusação ditada pelo juiz no dia 7 de janeiro.

Um golpe na imagem da Coroa

Após meses de trabalho, Castro fundamentou esta convocação em um documento de 227 páginas que caiu como uma bomba: protegida durante muito tempo, mas agora cercada pelos escândalos, a monarquia espanhola descobriu que não é mais intocável.

Aos 76 anos - 38 deles de reinado - Juan Carlos passa a imagem de um rei cansado, muitas vezes apoiado em muletas, após suas várias operações no quadril.

A deterioração de sua imagem começou há dois anos com o "caso Urdangarin" e se agravou após uma cara escapada a Botsuana para caçar elefantes em 2012, que indignou uma Espanha atingida pela crise.

A ponto de não ser mais tabu falar de uma eventual abdicação em favor do príncipe Felipe, que, aos 46 anos, encarna a esperança da Coroa.

"O caso Nóos foi um problema enorme para a monarquia desde o início. O que ocorre é que, ao se centrar na figura da infanta, o dano aumenta", explicou Ana Romero, jornalista do El Mundo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também