Mundo

Hungria reduz imposto e cria taxa única de renda

Budapeste - O novo primeiro-ministro da Hungria, o conservador Viktor Orban, anunciou hoje os pilares de sua política econômica e fiscal, incluindo a redução do imposto sobre sociedade (de 19% para 10%) e a introdução de um imposto único da renda de 16%. Hungria está desde a semana passada na mira dos mercados financeiros depois […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de junho de 2010 às 09h40.

Budapeste - O novo primeiro-ministro da Hungria, o conservador Viktor Orban, anunciou hoje os pilares de sua política econômica e fiscal, incluindo a redução do imposto sobre sociedade (de 19% para 10%) e a introdução de um imposto único da renda de 16%.

Hungria está desde a semana passada na mira dos mercados financeiros depois que vários representantes do novo Governo advertissem da possibilidade de uma moratória e de uma crise similar a da grega, o que derrubou as bolsas europeias e o euro em baixa.

As medidas válidas para os próximos dois anos serão acompanhadas da introdução de um novo imposto aos bancos e às empresas de seguros, com o qual o executivo planeja arrecadar 700 milhões de euros anuais.

"Precisamos de um novo sistema tributário que se baseie na confiança e não na desconfiança", assinalou Orban em discurso no Parlamento, controlado pela maioria de dois terços do partido conservador Fidesz.

Acrescentou que não quer "regular o (sistema fiscal) velho, mas criar um novo", e anunciou a eliminação de dez pequenos impostos, como a taxa sobre heranças.

Além disso, destacou "a importância de fomentar às pequenas e médias empresas e de "simplificar a burocracia".

Nesse sentido, acrescentou que a redução do imposto sobre sociedade será aplicado às empresas lucro inferior aos 500 milhões de forints (1,8 milhões de euros).

Acompanhe tudo sobre:Ajuste fiscalEuropaImpostosLeãoUnião Europeia

Mais de Mundo

Novas pesquisas preveem vitória trabalhista histórica nas eleições britânicas

Líder do Hezbollah diz que 'nenhum lugar' de Israel estará a salvo em caso de guerra

Governo Milei nega 'pacto de impunidade' com Bolsonaro por foragidos do 8 de janeiro

União Europeia repreende sete países por desrespeito às regras financeiras do bloco

Mais na Exame