Mundo

Guatemala eleva a 2.279 número de crianças separadas na fronteira dos EUA

Governo dos EUA disse que entregou a pais, parentes ou pessoas próximas 1.820 crianças, mas mantém na incerteza outros tantos cujo futuro não foi resolvido

Imigração: EUA enfrentam uma nova crise na fronteira sul, onde a grande maioria das pessoas que chega é guatemalteco, hondurenho e salvadorenho (Daniel Becerril/Reuters)

Imigração: EUA enfrentam uma nova crise na fronteira sul, onde a grande maioria das pessoas que chega é guatemalteco, hondurenho e salvadorenho (Daniel Becerril/Reuters)

E

EFE

Publicado em 2 de agosto de 2018 às 20h10.

Cidade da Guatemala - O Ministério de Relações Exteriores da Guatemala disse nesta quinta-feira que o número de menores de idade separados na fronteira dos Estados Unidos é de 2.279, elevando assim o total dito antes.

Dos 2.279, número obtido pelo órgão após conseguir "maior abertura" com as autoridades americanas e verificar os dados e casos relacionados à política de "tolerância zero", só 53 foram reunificados.

"A Guatemala vai continuar trabalhando fortemente por meio da sua Chancelaria e da Rede Consular para que todos os guatemaltecos sejam reunificados, tenha acesso aos seus direitos e a um tratamento digno", indicou o ministério em comunicado.

Os Estados Unidos enfrentam uma nova crise na fronteira sul, onde a grande maioria das pessoas que chega é guatemalteco, hondurenho e salvadorenho. Esta situação motivou a polêmica política de "tolerância zero" contra a imigração, que levou o governo de Donald Trump a separar dos pais a cerca de 3 mil menores em 7 de maio, medida que foi suspensa em meados de junho, após enormes críticas recebidas.

O governo dos Estados Unidos disse que entregou a pais, parentes ou pessoas próximas 1.820 crianças, mas mantém na incerteza outros tantos cujo futuro não foi resolvido.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)GuatemalaImigração

Mais de Mundo

Oposição venezuelana denuncia 'obstáculos' para credenciar fiscais eleitorais

Macron se recusa a nomear candidata da esquerda a primeira-ministra na França

Em primeiro comício desde saída de Biden, Kamala afirma que seu governo será 'do povo'

Capitólio dos EUA se blinda contra possíveis protestos durante visita de Netanyahu

Mais na Exame