A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Fracassam novas tentativas de desbloquear 'shutdown' no Senado dos EUA

Governo está com orçamento paralisado devido insistência de Trump em destinar US$ 5,7 bilhões para muro na fronteira com México

O Senado americano rejeitou nesta quinta-feira (24) dois planos contrapostos de democratas e republicanos para acabar com o "shutdown", que paralisa parte da administração federal há mais de um mês pela insistência do presidente, Donald Trump, de construir um muro na fronteira com o México.

O primeiro texto, apoiado por Trump e que contemplava fundos para o muro e medidas migratórias, recebeu 50 votos a favor e 47 contra. Para ser aprovado, precisava de um mínimo de 60 votos na Câmara alta, que tem 100 membros.

O plano dos democratas, que propunha dar um financiamento ao governo até 8 de fevereiro enquanto discutia a segurança fronteiriça, também fracassou, com 52 votos a favor e 44 contra.

Democratas e republicanos estão paralisados nas negociações sobre o orçamento federal devido à insistência de Trump de destinar 5,7 bilhões de dólares para construir um muro na fronteira com o México, que os opositores se negam a financiar.

"Muito simples, sem muro não funciona", tuitou o presidente nesta quinta-feira, em mensagem dirigida à presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi. "Não cederemos!".

Sem acordo, os orçamentos de algumas agências estão bloqueadas desde 22 de dezembro, o que afeta diretamente centenas de milhares de funcionários públicos que não recebem o seu salário.

A paralisação política em Washington, que enfrenta o presidente com Pelosi, obrigou Trump a adiar sem data determinada o seu discurso sobre o Estado da União.

"Farei o discurso quando o 'shutdown' terminar. Não busco outro lugar para o discurso do Estado da União porque não há outro lugar que possa competir com a história, a tradição e a importância da Câmara de Representantes", tuitou o presidente na quarta-feira à noite.

Segundo Trump, esse "grande" discurso, previsto originalmente para a próxima terça-feira, ocorrerá "em um futuro próximo".

Em uma breve carta, Pelosi disse na quarta-feira que a Câmara de Representantes "não autorizaria" o discurso presidencial até que as dependências federais afetadas pela paralisação orçamentária fossem reabertas.

"O discurso do Estado da União foi cancelado por Nancy Pelosi porque ela não quer ouvir a verdade" sobre a segurança na fronteira, disse Trump a jornalistas anteriormente.

Os projetos submetidos à votação nesta quinta-feira no Senado buscavam acabar, cada um de forma diferente, com o bloqueio, sem que Trump nem a oposição estivessem prontos para ceder.

"Não há desculpas para que os republicanos no Senado não aprovem essa legislação", disse Pelosi à imprensa. "Quem pode negar isso?".

Trump se recusa a assinar qualquer lei orçamentária que não inclua os 5,7 bilhões de dólares para o muro.

A proposta feita pelos republicanos incluía um financiamento do governo até setembro, com uma quantia para construir o muro e um compromisso de proteger da deportação cerca de um milhão de imigrantes, dos quais o governo de Trump havia cancelado um foro que os amparava.

A paralisação orçamentária afeta diretamente 0,5% dos trabalhadores americanos, mas à medida que o tempo avança sem soluções à vista, também afeta a confiança de metade dos consumidores, segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de Michigan.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também