Acompanhe:

Exportações para a Argentina registram o menor nível histórico

Quanto aos demais principais parceiros comerciais do Brasil, as exportações para a China cresceram 56,2% em janeiro, em volume, e avançaram 31,6% para os Estados Unidos

Modo escuro

Continua após a publicidade
O relatório do Icomex aponta que o superávit recorde de janeiro confirma a expectativa de um cenário favorável para o desempenho da balança comercial brasileira em 2024 (Luis Robayo/AFP)

O relatório do Icomex aponta que o superávit recorde de janeiro confirma a expectativa de um cenário favorável para o desempenho da balança comercial brasileira em 2024 (Luis Robayo/AFP)

Com a crise econômica na Argentina, o volume exportado pelo Brasil para o país recuou 31,5% em janeiro de 2024 ante o mesmo período do ano passado. O resultado fez com que a participação do vizinho sul-americano nas exportações brasileiras descesse a uma fatia de apenas 2,8% em janeiro, a menor para esse período do ano, mostrou o Indicador de Comércio Exterior (Icomex), divulgado nesta terça, 20, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), que começou a fazer o levantamento em 1998.

"O segundo menor foi na crise do início dos anos 2000, 3,5% em janeiro de 2002. Um reflexo da atual crise foi a queda nas vendas de automóveis de passageiros, que registraram retração em valor de 38,2%", diz o relatório do Icomex.

Quanto aos demais principais parceiros comerciais do Brasil, as exportações para a China cresceram 56,2% em janeiro, em volume, e avançaram 31,6% para os Estados Unidos. Já para a União Europeia, as vendas brasileiras recuaram 18%.

Outras nações

A balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 6,5 bilhões em janeiro, o mais elevado para o mês na série histórica iniciada em 1997. A FGV observa que a China contribuiu com US$ 2 7 bilhões para o superávit registrado em janeiro. Mas houve também saldos positivos relevantes nas trocas comerciais com África, Oriente Médio e América do Sul (excluída a Argentina), que somaram US$ 2,4 bilhões, e com a Ásia (excluída a China), cerca de US$ 1,2 bilhão. Os Estados Unidos contribuíram com US$ 244 milhões para o superávit da balança comercial de janeiro.

"A China lidera o saldo comercial, mas os dados mostram a importância do Brasil se manter um 'global trader'", afirmou a FGV.

O relatório do Icomex aponta que o superávit recorde de janeiro confirma a expectativa de um cenário favorável para o desempenho da balança comercial brasileira em 2024.

No mês passado, em relação a janeiro de 2023, em valores, as exportações cresceram 18,5%, enquanto as importações recuaram 0 1%. Os volumes aumentaram, mas os preços diminuíram. Em volume, as exportações cresceram 21,1%, e as importações subiram 9,7%. Quanto aos preços, houve recuo de 2,0% para as exportações e redução de 8,8% para as importações.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Milei escreve nova carta a Lula em busca de aproximação após oferecer ajuda a Musk
Brasil

Milei escreve nova carta a Lula em busca de aproximação após oferecer ajuda a Musk

Há 4 horas

Ministra argentina recua e diz que Milei não vai interferir no embate de Musk com STF
Mundo

Ministra argentina recua e diz que Milei não vai interferir no embate de Musk com STF

Há 17 horas

Chanceler de Milei visita o Brasil e cumpre primeira agenda com governo Lula
Brasil

Chanceler de Milei visita o Brasil e cumpre primeira agenda com governo Lula

Há um dia

Milei anuncia término com namorada um dia após encontrar Elon Musk
Mundo

Milei anuncia término com namorada um dia após encontrar Elon Musk

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais