Mundo

EUA se diz aberto a negociar com o Irã, mas não para sempre

Processo não pode ser interminável, disse o secretário de Estado John Kerry

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de abril de 2013 às 10h43.

Istambul - O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse neste domingo que as potências mundiais irão buscar novas negociações com o Irã para resolver a disputa que já dura uma década sobre o programa nuclear iraniano, mas enfatizou que o diálogo não pode durar para sempre.

As potências mundiais e o Irã fracassaram mais uma vez na tentativa de resolver as suas divergências em negociações neste fim de semana no Cazaquistão. Não foi marcada nova reunião entre o Irã e as seis potências mundiais.

"Esse não é um processo interminável", afirmou Kerry, depois de chegar a Istambul neste domingo. O secretário norte-americano faz uma visita de dez dias ao Oriente Médio, à Europa e à Ásia.

Kerry disse que o presidente Barack Obama está comprometido em continuar o processo diplomático, apesar das eleições presidenciais iranianas em junho, o que foi chamado de fator complicador.

"Diplomacia é um trabalho doloroso, é um trabalho para pacientes", declarou Kerry à imprensa.

Também neste domingo, o ministro de Assuntos Estratégicos de Israel, Yuval Steinitz, cobrou que as potências mundiais estabeleçam um limite de semanas para uma ação militar.

Steinitz, que é próximo ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou a uma rádio que uma ação deveria ocorrer em "poucas semanas, um mês", se o Irã não parar com o seu programa nuclear, o que Israel vê como uma potencial ameaça para a sua existência.


As potências ocidentais suspeitam que o Irã tenta desenvolver armas nucleares. O Irã nega e alega que o seu programa é para fins civis.

Teerã não reconhece o Estado judaico e acusa Israel de ameaçar a paz na região. Acredita-se que Israel é o único país com arsenal nuclear no Oriente Médio.

Catherine Ashton, da União Europeia, que representa os Estados Unidos, a Rússia, a China, a França, o Reino Unido, e a Alemanha nas negociações com o Irã, afirmou que os dois lados não conseguiram resolver divergências chaves durante a reunião de dois dias em Almaty.

As seis potências querem que o Irã suspenda o enriquecimento de urânio e, em troca, oferecem algum alívio em relação às sanções internacionais contra Teerã. O Irã não aceitou a oferta.

"É importante continuar conversando. Estamos abertos e esperançosos de que uma solução diplomática possa ser encontrada", disse Kerry.

Especialistas têm dito que as eleições presidenciais no Irã em junho aumentam as incertezas sobre a estratégia diplomática do Irã.

"Obviamente que as eleições complicam, e estamos cientes disso", afirmou Kerry. "Mas nós vamos continuar. O presidente Obama determinou que sigamos no canal diplomático."

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaEstados Unidos (EUA)Irã - PaísJohn KerryPaíses ricosPolíticos

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame