Mundo

EUA rejeitam anúncio de europeus: Estado Palestino deve ocorrer por 'negociações diretas'

O anúncio feito pelos três países europeus nesta quarta-feira, embora simbólico, aprofunda o isolamento de Israel depois de quase oito meses de guerra contra o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza

Guerra em Gaza: Benjamin Netanyahu convocou os embaixadores dos três países, acusando os europeus de "recompensarem" o Hamas pelo ataque de 7 de outubro (Jim Watson/AFP)

Guerra em Gaza: Benjamin Netanyahu convocou os embaixadores dos três países, acusando os europeus de "recompensarem" o Hamas pelo ataque de 7 de outubro (Jim Watson/AFP)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 22 de maio de 2024 às 19h42.

Os Estados Unidos declararam nesta quarta-feira, 22, que a criação de um Estado Palestino deve acontecer por meio de "negociações diretas" entre os envolvidos, e não por um "reconhecimento unilateral", rejeitando a iniciativa da Espanha, da Irlanda e da Noruega de reconhecer um Estado Palestino.

"O presidente (Joe Biden) é um forte apoiador de uma solução de dois Estados e tem sido assim ao longo de sua carreira", disse um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos para a CNN. "Ele acredita que um Estado Palestino aconteceria por meio de negociações diretas entre as duas partes não pelo reconhecimento unilateral."

Solução de dois estados

Em um discurso na formatura da Morehouse College, em Atlanta, no domingo, 19, Biden declarou que apoiava a solução de dois Estados. "Estou trabalhando para garantir que finalmente consigamos uma solução de dois Estados - a única solução para os dois povos viverem em paz, segurança e dignidade", afirmou.

O anúncio feito pelos três países europeus nesta quarta-feira, embora simbólico, aprofunda o isolamento de Israel depois de quase oito meses de guerra contra o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza.

Guerra persiste

Como reação, Benjamin Netanyahu convocou os embaixadores dos três países, acusando os europeus de "recompensarem" o Hamas pelo ataque de 7 de outubro.

Também em resposta, o Ministro de Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben-Gvir, fez uma visita ao complexo da mesquita de Al-Aqsa - um ponto crítico em Jerusalém que é sagrado para muçulmanos e judeus, que se referem a ele como o Monte do Templo. Na visita, declarou: "nós não permitiremos sequer uma declaração sobre o Estado Palestino", disse.

O governo de Netanyahu opõe-se à criação de um Estado Palestino e afirma que o conflito só pode ser resolvido através de negociações diretas.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)PalestinaJoe BidenIsraelBenjamin Netanyahu

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame