Mundo

EUA impõem sanção a ex-presidente da Guatemala Alejandro Giammattei por corrupção

Giammattei esteve na semana passada em Washington, onde pronunciou um discurso na OEA, no qual criticou os Estados Unidos

Giammattei manteve uma relação tensa com Washington (Josue Decavele/Getty Images)

Giammattei manteve uma relação tensa com Washington (Josue Decavele/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 18 de janeiro de 2024 às 09h25.

O governo dos Estados Unidos vetou a entrada no país do ex-presidente da Guatemala Alejandro Giammattei por "participação em corrupção significativa", informou o Departamento de Estado nesta quarta-feira,17.

A sanção chega dois dias depois da posse de seu sucessor, o progressista Bernardo Arévalo, em meio a uma ofensiva judicial travada pela procuradora-geral Consuelo Porras, que foi ratificada em seu cargo por Giammattei.

Acusação de corrupção

Os Estados Unidos dispõem de informação "que indica que Giammattei aceitou propina em troca do desempenho de suas funções públicas", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado Matthew Miller em comunicado. Washington "deixou claro que apoia os guatemaltecos que querem que os atores corruptos prestem contas", acrescentou.

Giammattei esteve na semana passada em Washington, onde pronunciou um discurso na OEA, no qual criticou os Estados Unidos, mas sem mencioná-los, por impor restrições de visto para mais de 100 deputados guatemaltecos.

Sanções à Guatemala

Nos últimos três anos, o governo de Joe Biden vetou a entrada ou impôs sanções a quase 400 pessoas do país, incluídos funcionários e representantes do setor privado, os quais acusa de "participar em atividades corruptas e para solapar a democracia e o Estado de Direito na Guatemala", ressaltou Miller.

Giammattei manteve uma relação tensa com Washington, sobretudo nos últimos tempos em que o governo Biden apoiou o novo presidente progressista diante do assédio judicial.

Arévalo e seu partido Semilla (Semente, na tradução literal) foram alvos de uma perseguição judicial liderada pelo Ministério Público desde junho, quando passou para o segundo turno das eleições, que depois ele venceu em agosto.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Guatemala

Mais de Mundo

Júri começa a deliberar no julgamento de filho de Joe Biden

Hungria: partido de Orbán mantém maioria na UE, mas vê ascenção de grupo rival

Conselho de Segurança aprova resolução para cessar-fogo em Gaza apoiada pelos EUA

Lula e Putin conversam sobre Ucrânia por telefone

Mais na Exame