EUA e aliados condenam ataques em rota comercial estratégica no Mar Vermelho e prometem punição

Nações pedem o fim imediato dessas agressões e a libertação de tripulantes capturados

Guarda-costeira do Iêmen, ligada ao governo do país, durante patrulha no Mar Vermelho (Khaled Ziad/AFP)
Guarda-costeira do Iêmen, ligada ao governo do país, durante patrulha no Mar Vermelho (Khaled Ziad/AFP)
Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 3 de janeiro de 2024 às 16h16.

Última atualização em 3 de janeiro de 2024 às 20h51.

Estados Unidos, Austrália, Bahrein, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Alemanha, Itália, Japão, Holanda, Nova Zelândia e Reino Unido publicaram comunicado conjunto, no qual condenam ataques recentes contra embarcações de transporte marítimo de carga na região do Mar Vermelho, rota estratégica para o comércio global

As nações pedem o fim imediato dessas agressões e a libertação de tripulantes capturados e diz que os rebeldes houthis, do Iêmen, terão a responsabilidade pelas consequências, "caso continuem a ameaçar vidas, a economia global e o fluxo livre de comércio em águas cruciais da região".

O grupo de países diz estar comprometido a responsabilizar os autores dos ataques "ilegais", "inaceitáveis" e "profundamente desestabilizadores". O comunicado, divulgado pela Casa Branca, diz que não há justificativa para que os civis dos navios de transporte de carga sejam alvos.

Liberdade de navegação

O comportamento dos rebeldes ameaça diretamente a liberdade de navegação, um pilar do comércio global em uma de suas águas mais importantes, diz o texto.

O comunicado ainda destaca que quase 15% do comércio internacional global por via marítima passa pela região atingida incluindo 8% do comércio global de grãos, 12% do comércio feito por via marítima de petróleo e 8% do com gás natural liquefeito.

As empresas têm reorientado rotas pelo Cabo da Boa Esperança, o que acarreta semanas de atraso e aumenta custos, o que no fim das contas ameaça o movimento de alimentos, combustível e assistência humanitária, explica o texto.

Acompanhe tudo sobre:IsraelOriente MédioIêmen

Mais de Mundo

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Novas regras entram em vigor para obtenção da cidadania portuguesa

Mais de 110 pessoas são sequestradas por supostos jihadistas no Mali

Julgamento de Donald Trump entra em fase decisiva

Mais na Exame