Acompanhe:

Entenda os limites e as dificuldades de lançar pelo ar suprimentos para a Faixa de Gaza

Embora um avião possa transportar o equivalente a dois caminhões, custo da transferência é dez vezes maior e suprimentos são perdidos ao cair no Mar Vermelho, onde grande parte da ajuda acaba parando

Modo escuro

Continua após a publicidade
A ONU acusa as forças israelenses de bloquear "sistematicamente" o acesso à Faixa de Gaza (AFP)

A ONU acusa as forças israelenses de bloquear "sistematicamente" o acesso à Faixa de Gaza (AFP)

Diante da situação humanitária desesperadora em Gaza, vários países começaram a enviar ajuda de paraquedas para o território palestino, um método difícil e insuficiente para atender às enormes necessidades da população, de acordo com atores ouvidos pela AFP. A Jordânia, o Egito e os Emirados Árabes Unidos são alguns exemplos, assim como os Estados Unidos, que no sábado lançaram 38 mil sacos de ração alimentar, usada em situações de emergência.

No entanto, segundo uma autoridade americana de alto-escalão que conversou sob anonimato com a AFP, a ajuda é "apenas uma gota no oceano" para o suprimento das necessidades em Gaza, devastada por quase cinco meses de guerra e com pouco acesso a alimentos, água e medicamentos.

Os fluxos de ajuda humanitária para a Faixa de Gaza foram reduzidos ao mínimo desde o início da guerra, em 7 de outubro. Segundo a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA, na sigla em inglês), quase 2,3 mil caminhões de ajuda entraram na Faixa de Gaza em fevereiro, com uma média de 82 veículos por dia. O número é 50% menor que em janeiro. Antes do conflito atual, quando as necessidades da população eram menos urgentes, cerca de 500 caminhões entravam no enclave todos os dias.

Dados do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (Ocha, na sigla em inglês) mostram que pelo menos 500 mil pessoas já vivem em situação de fome ou catástrofe humanitária em Gaza, e quase toda a população enfrenta escassez aguda de alimentos — a pobreza alimentar atinge 90% das crianças com menos de 2 anos de idade e 95% das mulheres grávidas ou que estão amamentando, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A ofensiva aérea e terrestre lançada por Israel em resposta ao ataque terrorista de 7 de outubro — que deixou 1,2 mortos e fez mais de 200 reféns do lado israelense — já matou mais de 30,3 mil pessoas do lado palestino, principalmente mulheres e crianças, segundo dados do Ministério da Saúde de Gaza, administrado pelo grupo terrorista Hamas.

Perdidos no mar

No norte da Faixa de Gaza, onde a ofensiva terrestre israelense começou, muitos moradores não podem comer nada além de forragem, um tipo de cobertura vegetal usada no solo para alimentação do gado e proteção da terra.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Democratas levam luta pelo aborto de casa em casa na batalha eleitoral dos EUA
Mundo

Democratas levam luta pelo aborto de casa em casa na batalha eleitoral dos EUA

Há 3 horas

Vendas no varejo nos EUA sobem 0,7% em março ante fevereiro
Economia

Vendas no varejo nos EUA sobem 0,7% em março ante fevereiro

Há 4 horas

Julgamento criminal de Donald Trump começa em Nova York nesta segunda
Mundo

Julgamento criminal de Donald Trump começa em Nova York nesta segunda

Há 8 horas

Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses
Mundo

Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses

Há 9 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais