Mundo

Emigração ilegal aos EUA gera US$ 6,6 bi às máfias, diz ONU

Viena - Os grupos criminosos que controlam os fluxos da emigração ilegal aos Estados Unidos lucram por ano US$ 6,6 bilhões para levar a território americano quase três milhões latino-americanos. Estes dados foram divulgados hoje no relatório "A Globalização do Crime: uma avaliação da ameaça do crime organizado além das fronteiras", do Escritório das Nações […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de junho de 2010 às 14h29.

Viena - Os grupos criminosos que controlam os fluxos da emigração ilegal aos Estados Unidos lucram por ano US$ 6,6 bilhões para levar a território americano quase três milhões latino-americanos.

Estes dados foram divulgados hoje no relatório "A Globalização do Crime: uma avaliação da ameaça do crime organizado além das fronteiras", do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Um dos aspectos investigados é o tráfico ilegal de pessoas, um negócio lucrativo para as organizações criminosas e que tem duas rotas principais: da América Latina aos EUA e, em medida muito menor, da África à Europa.

A ONU estima que 80% dos imigrantes ilegais nos Estados Unidos sejam procedentes da América Latina, a maioria do México.

No entanto, analistas asseguram que nos últimos anos a crise econômica mundial reduziu de forma significativa a entrada ilegal de pessoas na busca por um futuro melhor em território americano.

Segundo o relatório, 90% das pessoas que entram ilegalmente nos EUA têm como objetivo contrabandear produtos.

Devido a isso, estes traficantes de pessoas têm um enorme poder para exigir preços abusivos, em muitos casos transformando os emigrantes em reféns.

A ONU prevê que o fortalecimento estatal do controle migratório estimule o crescimento do poder destas máfias clandestinas.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)JustiçaONUPaíses ricos

Mais de Mundo

Campanha de Biden ignora críticas e afirma que ele voltará à estrada em breve

Jovens da Venezuela se preparam para sua primeira eleição

Trump retoma campanha contra um Biden enfraquecido

Programa espacial soviético colecionou pioneirismos e heróis e foi abalado por disputas internas

Mais na Exame