Mundo

Em reunião da OMS, Brasil vota contra proposta de Israel sobre libertação de reféns

Delegação brasileira defendeu a liberação de israelenses que estão nas mãos do Hamas, mas não concordou com texto apresentado por Israel

Guerra Israel-Hamas: conflito teve início em 7 de outubro de 2023 (AFP)

Guerra Israel-Hamas: conflito teve início em 7 de outubro de 2023 (AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 3 de junho de 2024 às 15h37.

Última atualização em 3 de junho de 2024 às 15h48.

Tudo sobreConflito árabe-israelense
Saiba mais

O Brasil votou contra uma proposta apresentada por Israel, na última quinta-feira, durante a Assembleia Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), em Genebra (Suíça), de incluir os reféns que estão nas mãos do grupo palestino Hamas em um projeto de resolução apresentado pela Argélia. O texto original condenava as ações israelenses na Faixa de Gaza e contava com o apoio de países árabes, Rússia, China, Venezuela, Irã, Cuba e Nicarágua.

A proposta inicial denunciava a situação do sistema de saúde em territórios da Palestina. Também falava sobre violência, fome e destruição de hospitais.

Durante a sessão, Israel pediu para que fosse incluído no texto a libertação de cerca de 125 reféns israelenses que ainda estão com o Hamas e a proibição do uso de instalações de saúde por grupos armados palestinos.

Segundo interlocutores do Itamaraty, o Brasil votou contra o adendo israelense por divergências em relação ao texto e ao alcance. A avaliação era que o fórum, a OMS, não seria adequado para tratar do tema e havia problemas na proposta apresentada por Israel. Por exemplo, falava sobre grupos armados atacando hospitais, mas não dizia que esses estabelecimentos deveriam seer protegidos.

Ainda conforme integrantes da área diplomática do governo, a delegação brasileira saiu em defesa da libertação dos reféns em todas as intervenções. Em uma delas, foi lido o seguinte texto:

"Gostaríamos de reiterar nosso apelo pela liberação imediata de todos os reféns e recordar a todas as partes envolvidas no conflito que estão obrigadas a cumprir o direito internacional humanitário e a proteção específica conferida às instalações e unidades médicas, incluindo hospitais"

A mudança no texto, incluindo os pedidos do governo israelense, foi aprovada por 50 votos favoráveis ante 44 contra a alteração. Com a mudança, a proposta inicial foi retirada.

Acompanhe tudo sobre:OMS (Organização Mundial da Saúde)IsraelConflito árabe-israelenseGuerras

Mais de Mundo

Novas pesquisas preveem vitória trabalhista histórica nas eleições britânicas

Líder do Hezbollah diz que 'nenhum lugar' de Israel estará a salvo em caso de guerra

Governo Milei nega 'pacto de impunidade' com Bolsonaro por foragidos do 8 de janeiro

União Europeia repreende sete países por desrespeito às regras financeiras do bloco

Mais na Exame