Em meio à pandemia, Estado Islâmico volta a atacar na Europa

Grupo assumiu a autoria do atentado que matou quatro pessoas e feriu outras 15 na Áustria nesta segunda, dia 2; Reino Unido entra em estado de alerta

O grupo Estado Islâmico assumiu a autoridade do atentado em Viena, na Áustria, nesta segunda-feira, dia 2, que deixou quatro mortos e 22 feridos. O ataque aconteceu em seis diferentes pontos de uma região boêmia, com bares e restaurantes, no centro da cidade. Muitos jovens aproveitam a noite de temperatura agradável que antecedeu o novo lockdown decretado para conter a segunda onda do coronavírus. Um dos atiradores, morto pela polícia, foi preso em 2019 ao tentar ir à Síria com o objetivo de se juntar aos jihadistas.

Fejzulai Kujtim, de 20 anos, disparou vários tiros de metralhadora nos frequentadores de bares e restaurantes com mesas ao ar livre. Segundo o Ministério do Interior da Aústria, Kujtim, de ascendência macedônia e austríaca, obteve o direito à condicional em dezembro do ano passado, depois de ficar quase dois anos preso.

A polícia austríaca já prendeu 14 suspeitos de ter conexão com o atentado. Câmaras de segurança e videos mostram que Kujtim estava fortemente armado e tinha treinamento militar. 

O atentado em Viena aconteceu apenas alguns dias depois que três pessoas foram mortas a facadas dentro de uma igreja em Nice, na França, por um terrorista. Uma senhora de 70 foi degolada.

A brasileira Simone Barreto Silva, de 44 anos, que morava há 20 anos no país, foi uma das vítimas. Ela conseguiu cruzar a rua e chegar a um bar para avisar sobre o atentado. Ela faleceu no local.

O ataque na Aústria, o mais letal até agora, fez com que países europeus permanecessem em estado de alerta. No Reino Unido, o nível de ameaça de terrorismo passou para grave.

Na França, o professor de história Samuel Paty foi degolado no dia 17 de outubro. Ele havia dado uma aula sobre liberdade de expressão na qual mostrou caricaturas do profeta Maomé.

Em entrevista à rede árabe Al Jazerra neste final de semana, Emannuel Macron, presidente da França, disse que grupos radicais islâmicos serão investigados. Ele também ressaltou que respeito ao direito individual e à liberdade de expressão são pilares fundamentais da sociedade europeia.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.