Eleições nos EUA: Trump fica nervoso e abandona sessão em que é julgado por difamação

E. Jean Carroll exige US$ 10 milhões ao republicano por danos à sua reputação após declarações feitas em 2019

Donald Trump, ex-presidente dos EUA (Gregory Walton/AFP Photo)

Donald Trump, ex-presidente dos EUA (Gregory Walton/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 26 de janeiro de 2024 às 14h53.

Última atualização em 26 de janeiro de 2024 às 14h58.

O líder republicano Donald Trump saiu furioso do tribunal de Nova York nesta sexta-feira, 26, onde os argumentos finais foram ouvidos no julgamento por difamação movido pela escritora E. Jean Carroll, que o acusa de arruinar sua reputação.

O ex-presidente (2017-2021) abandonou a sala quando a Promotoria apresentou seus argumentos neste caso que Trump considera parte da conspiração do Partido Democrata para impedir seu retorno à Casa Branca, se vencer as eleições de novembro.

Carroll, uma escritora e jornalista de 80 anos, exige US$ 10 milhões (R$ 49,2 milhões na cotação atual) ao republicano por danos à sua reputação após declarações feitas em 2019 pelo ex-presidente, depois que ela publicou um livro e um artigo em que afirmava que o magnata a estuprou em uma loja de departamentos na década de 1990.

Trump, que costuma chamá-la de "louca" ou "doente", afirmou então que a jornalista "não fazia seu tipo" e que ela inventou o estupro para "vender seu novo livro".

"Isso destruiu a minha reputação", disse a escritora no julgamento.

Após os argumentos finais, o júri iniciará as deliberações para determinar se houve difamação e estabelecer, nesse caso, o valor que deverá ser pago à escritora.

Em maio do ano passado, outro júri considerou o republicano culpado de agressão sexual e difamação, pelas quais foi condenado a pagar US$ 5 milhões (R$ 24,6 milhões na cotação atual) a Carroll, embora o magnata tenha recorrido da decisão.

Confrontado com a insistência em comparecer ao tribunal para se defender, Trump conseguiu finalmente fazê-lo na quinta-feira, mas o juiz de instrução Lewis Kaplan limitou sua declaração a três perguntas, às quais teve de responder sim ou não.

"Ela diz algo que considero falso", começou Trump, antes que Kaplan o interrompesse. "Isso não é os Estados Unidos", gritou o bilionário ao sair do tribunal, visivelmente irritado.

yt thumbnail

Mais de Mundo

Ordem judicial retira da oposição venezuelana o controle de um de seus maiores partidos

Equador captura líder criminoso foragido que ameaçou procuradora-geral

Polônia indica que poderia abrigar armas nucleares de outros membros da Otan para conter Rússia

Após prisões em Columbia, protestos contra a guerra em Gaza se espalham por universidades dos EUA

Mais na Exame