Mundo

Dinamarquesas vão às ruas pelo direito de muçulmanas

Lei que afeta somente as muçulmanas residentes no país tem incomodado as mulheres que enxergam nela uma violação da livre escolha

Dinamarca: grupo Kvinder I Dialog distribui panfletos chamando para protestos contra lei do véu (Andrew Kelly/Reuters)

Dinamarca: grupo Kvinder I Dialog distribui panfletos chamando para protestos contra lei do véu (Andrew Kelly/Reuters)

EH

EXAME Hoje

Publicado em 1 de agosto de 2018 às 06h44.

Última atualização em 1 de agosto de 2018 às 07h47.

Mulheres da Dinamarca vão às ruas nesta quarta-feira para protestar contra uma lei que proíbe o uso de burcas no país. Em maio deste ano, o Parlamento dinamarquês aprovou uma lei em que proíbe o véu integral em locais públicos, e que passará a valer a partir de hoje. Segundo a maioria do Parlamento, o uso de véus é incompatível com os “valores da sociedade dinamarquesa”, e um desrespeito à comunidade do país. Por isso, as mulheres que não obedecerem à proibição receberão multas entre 598 e 5.800 reais (entre 1.000 e 10.000 coroas dinamarquesas), e serão encaminhadas às suas casas.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A lei, que afeta somente as muçulmanas residentes no país, tem incomodado as mulheres que enxergam nela uma violação da livre escolha e à própria religião islâmica. Foi deste incômodo que surgiu o grupo Kvinder I Dialog (Mulheres em Diálogo) — composto por muçulmanas que utilizam véus, que não utilizam, e também por não muçulmanas — que defende o direito de a mulher expressar sua identidade como quiser. Foi deste grupo que surgiram as manifestações de hoje.

Não é a primeira vez que um país europeu tenta decidir sobre os hábitos da religião islâmica. França, Bélgica, Holanda, Bulgária e o estado alemão da Baviera já impuseram algum tipo de restrição ao uso de véus por mulheres islâmicas.

Na França, por exemplo, o uso de véu integral é proibido desde 2011, e uma multa de 150 euros pode ser aplicada para aquelas que desrespeitarem o veto. Embora esta proibição tenha sido aprovada e colocada em vigor, uma vitória ao hábito religioso foi registrada em 2015. O uso dos burquinis (trajes de banho para mulheres que desejam cobrir seu corpo) foi proibido pelo governo francês, mas recursos judiciais e uma série de protestos fizeram com que a Corte francesa revogasse a lei, e permitisse seu uso no país.

Na Dinamarca, está em jogo a conquista do poder por parte dos conservadores dinamarqueses. O Partido do Povo dinamarquês se tornou o segundo maior partido no país, e faz parte do governo desde 2015. O partido, que valoriza o “valor do povo dinamarquês”, já propôs, entre outras coisas, o ensino desses valores a crianças que moram em áreas marginalizadas, conhecidas como guetos.

Acompanhe tudo sobre:Às SeteDinamarcaExame HojeMulheresProtestos

Mais de Mundo

Calor sufocante deixa 22 mortos e temperaturas acima de 45ºC no México

Irã diz que helicóptero de Raisi pegou fogo após queda e que não há sinal de ataque

'Memenager': Biden oferece R$ 440 mil para criador de memes para as eleições

Variante FLiRT do coronavírus: o que se sabe até agora

Mais na Exame