'Deveres da monarquia permanecem', diz Charles III em primeiro discurso como rei

O novo rei britânico, Charles III, fez seu primeiro discurso televisionado após a morte da mãe, a rainha Elizabeth II
Charles nesta sexta-feira, 9, durante primeiro discurso como rei: boa parte da fala foi dedicada à rainha Elizabeth II (Yui Mok - WPA Pool/Getty Images)
Charles nesta sexta-feira, 9, durante primeiro discurso como rei: boa parte da fala foi dedicada à rainha Elizabeth II (Yui Mok - WPA Pool/Getty Images)
C
Carolina Riveira

Publicado em 09/09/2022 às 14:33.

Última atualização em 09/09/2022 às 15:41.

O novo rei britânico, Charles III, usou boa parte de seu discurso nesta sexta-feira, 9, para prestar homenagem à falecida mãe, a rainha Elizabeth II, enquanto afirmou que os deveres da monarquia e a tradição do parlamentarismo britânico permanecem no país.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

"Ao longo de sua vida, Sua Majestade a Rainha - minha amada Mãe - foi uma inspiração e um exemplo para mim e para toda a minha família", disse o novo rei.

"Devemos a ela a dívida mais sincera que qualquer família pode ter para com sua mãe; por seu amor, carinho, orientação, compreensão e exemplo." (assista ao discurso completo abaixo)

O discurso televisionado foi o primeiro de Charles após a morte da rainha, que faleceu na quinta-feira, 8, horas após médicos divulgarem comunicado alertando sobre seu estado de saúde. Elizabeth II foi rainha por 70 anos, tendo chegado ao trono em 1952, aos 25 anos de idade.

Charles relembrou um famoso discurso da mãe, em Cape Town, África do Sul, quando ela celebrava o aniversário de 21 anos. Em uma de suas frases mais lembradas até hoje, a então princesa afirmou: "Declaro diante de todos vocês que toda a minha vida, seja longa ou curta, será dedicada ao seu serviço."

"Essa promessa, de serviço ao longo de toda a vida, eu renovo a vocês hoje", disse Charles.

Multidão em frente ao Palácio de Buckingham na sexta-feira, 9: rei Charles III voltou à Inglaterra pela manhã após morte da mãe na Escócia (Carl Court/Getty Images)

"Como a própria rainha fez com devoção tão inabalável, eu também agora me comprometo solenemente, durante todo o tempo restante que Deus me conceder, a defender os princípios constitucionais no coração de nossa nação", disse.

"Onde quer que você viva no Reino Unido ou nos reinos e territórios em todo o mundo e qualquer que seja sua origem e crenças, eu me esforçarei para servi-lo com lealdade, respeito e amor, como tenho feito durante toda a minha vida."

Além do Reino Unido (composto por Inglaterra, Irlanda do Norte, País de Gales e Escócia), o monarca britânico será rei de outros 14 países, como Austrália, Canadá e Nova Zelândia, que hoje detêm o rei como chefe de Estado.

Aos 73 anos, Charles é o monarca mais velho a assumir o trono britânico. O próximo na linha de sucessão é seu filho William, de 40 anos, fruto do casamento com a falecida princesa Diana.

No discurso, Charles elogiou também os filhos William e Harry, além da esposa e agora rainha consorte, Camila. Com a ascensão de Charles, William se torna príncipe de Gales, cargo que antecede a chegada ao trono e antes era do pai.

"Com Catherine [esposa de William] ao seu lado, nossos novos príncipes e princesas de Gales continuarão, eu sei, a inspirar e liderar nossas conversas nacionais", disse o rei.

Charles e Camilla caminham em meio a flores depositadas em homenagem à rainha: Camilla se torna agora rainha consorte (Yui Mok - WPA Pool/Getty Images)

Mundo em transformação

Na fala, Charles reconheceu um mundo em transformação para a Coroa britânica desde que a mãe assumiu o trono. "Nos últimos 70 anos, vimos nossa sociedade se tornar uma das muitas culturas e muitas religiões", disse.

O novo rei afirmou que os "valores permaneceram e devem permanecer constantes" e elogiou o sistema de governo parlamentar britânico - pelo modelo, o monarca é chefe de Estado, com caráter sobretudo simbólico, e as decisões políticas são tomadas pelos primeiros-ministros e pelo Parlamento eleito pela população.

"O papel e os deveres da Monarquia também permanecem, assim como o relacionamento e a responsabilidade particulares do Soberano para com a Igreja da Inglaterra - a Igreja na qual minha fé está tão profundamente enraizada", disse.

Charles afirmou ter sido criado para "nutrir um senso de dever para com os outros e manter o maior respeito pelas preciosas tradições, liberdades e responsabilidades de nossa história única e nosso sistema de governo parlamentar".

O rei encerrou o discurso prestando novamente homenagem à mãe, que afirmou ter tido uma vida "bem vivida". "Obrigada por seu amor e devoção a nossa família e à família das nações que você serviu tão diligentemente por todos esses anos."

A tarde desta sexta-feira conta ainda com uma cerimônia na capela de Saint Paul, em Londres, em homenagem à rainha. Antes do discurso televisionado, Charles se encontrou nesta manhã com a premiê britânica, Liz Truss, e deve ter outras conversas ao longo do dia para decidir detalhes sobre o funeral de Elizabeth.

No fim de semana, o novo rei também fará um tour pelos quatro territórios britânicos, uma missão delicada - na Escócia, por exemplo, demandas pela separação frente ao Reino Unido vêm crescendo, enquanto a Irlanda do Norte tem tido embates reavivados com a vizinha Irlanda (que não é território britânico) após o Brexit, saída do Reino Unido da União Europeia.

Com a morte de uma rainha que tinha aprovação acima de 70%, Charles terá o desafio de, como afirmou em seu discurso, garantir que os "deveres" e simbolismo da monarquia seguirão importantes para os britânicos.


Veja o discurso completo de Charles III