Mundo

Crise na Argentina com inflação galopante: passagem de ônibus deve aumentar 40%

Tarifas do transporte público serão reajustadas em Buenos Aires; aumento de preços pode chegar a 90% até o final do ano e déficit já soma o equivalente a US$ 30 bilhões

Protesto contra inflação na Argentina: passagens de ônibus serão reajustadas em 40% (Anita Pouchard Serra/Bloomberg via Getty Images/Getty Images)

Protesto contra inflação na Argentina: passagens de ônibus serão reajustadas em 40% (Anita Pouchard Serra/Bloomberg via Getty Images/Getty Images)

CA

Carla Aranha

Publicado em 26 de julho de 2022 às 11h41.

Última atualização em 26 de julho de 2022 às 11h50.

Em meio a uma inflação de mais de 60% e uma forte desvalorização do peso frente ao dólar, a Argentina deve reajustar as tarifas do transporte público em Buenos Aires no próximo mês. Os aumentos devem ser de 40%. O preço mínimo da passagem de ônibus deve passar de 18 para 25 pesos, segundo as autoridades locais, encerrando um congelamento que vinha sendo mantido desde 2019. Os passes de trem e metrô também serão reajustados.

A ideia é reduzir subsídios ao transporte público para controlar o defícit fiscal. O país está mergulhado em uma das piores crises de sua história, com a perspectiva de uma inflação de 90% até o final do ano e aumentos da taxa básica de juros que já passam de 52%. O déficit primário chegou a 755,9 bilhões de pesos (cerca de 30 bilhões de dólares) no primeiro semestre, equivalente a quase 1% do PIB, o que representa um aumento de 263% em relação ao mesmo período do ano passado. Ao mesmo tempo, o dólar subiu 60%.

Para tirar o país da crise, o presidente Alberto Fernández aposta no plano "Argentina Grande", baseado em obras públicas, de saneamento e infraestrutura de transportes. O orçamento previsto é de mais de 835 bilhões de pesos (equivalentes a 6,5 bilhões de dólares). O projeto se apoia na criação de empregos para salvar a economia.

A saída do ministro da economia, Martín Guzmán, neste mês, ainda não deu mostras de alívio para a frágil situação econômica do país. A economista Silvina Batakis, ligada à vice-presidente vice-presidente Cristina Kirchner, assumiu o cargo com a missão de negociar a dívida de 44 bilhões de dólares da Argentina com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e apresentar soluções para a crise.

Essa semana, Batakis se reuniu com credores internacionais em Washington, nos Estados Unidos, e a diretora do FMI, Kristalina Georgieva. A nova ministra da economia também vem mantendo interlocução com o Banco Mundial -- a entidade acaba de anunciar um empréstimo de 200 milhões de dólares para pequenas e médias empresas argentinas. O impasse na economia, no entanto, continua.

Veja também:

 

 

 

Mais de Mundo

Com margem estreita, Milei tenta aprovar pacote de reformas no Senado argentino

Às vésperas do G7, EUA anuncia mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Gorjetas no exterior: dicas para viajar sem estresse

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Mais na Exame