Mundo

Canal do Panamá ainda sofre com efeitos da seca provocada pelo El Niño

Apesar do trânsito de embarcações estar voltando ao normal, Autoridade do Canal do Panamá (ACP) advertiu na que a crise não acabou

Navio sai do Canal do Panamá, na Cidade do Panamá, em 17 de junho de 2024 (AFP/AFP)

Navio sai do Canal do Panamá, na Cidade do Panamá, em 17 de junho de 2024 (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 27 de junho de 2024 às 10h43.

A Autoridade do Canal do Panamá (ACP) advertiu na quarta-feira, 26, que a crise enfrentada por essa via interoceânica devido à seca não acabou, apesar de a maioria das restrições ao trânsito de navios já terem sido levantadas.

"A via aquática continua enfrentando o impacto da prolongada temporada seca, que limitou no ano passado a capacidade de travessias diárias do Canal. Apesar da chegada da temporada de chuvas, o problema hídrico do Panamá e seu Canal não termina", ressaltou a ACP.

"A crise hídrica é um lembrete de que as mudanças climáticas e seus efeitos são uma realidade que requer atenção imediata e ações concretas", acrescentou a operadora.

Ao contrário de outras vias, como o Canal de Suez, no Egito, o panamenho, por onde passa 6% do comércio marítimo mundial, funciona com água da chuva, que obtém dos lagos artificiais Gatún e Alhajuela.

Em 2023, o Canal do Panamá foi seriamente afetado pela seca causada pelo fenômeno El Niño. A situação obrigou a via, cujos principais usuários são Estados Unidos, China e Japão, a reduzir os cruzamentos diários de navios e a limitar o calado dos barcos, o que reduziu o trânsito de mercadorias.

O número de embarcações passou de uma média diária de até 38 navios para 22, enquanto o calado foi reduzido de 15,2 metros para 13,4.

Devido ao aumento das chuvas, o canal tem elevado o trânsito e o calado desde então. A ACP anunciou hoje que a partir de 5 de agosto poderão passar até 35 navios por dia, e em 11 de julho o calado será ampliado para 14,6 metros.

Para evitar novas crises, a ACP, uma entidade autônoma do governo, alertou para a necessidade de "identificar fontes alternativas de água" e desenvolver projetos para o seu armazenamento.

No ano fiscal de 2023, transitaram pela via panamenha 511 milhões de toneladas de carga, que geraram 3,34 bilhões de dólares (18,45 bilhões de reais) de receita.

 

Acompanhe tudo sobre:PanamáBarcos

Mais de Mundo

Nancy Pelosi anuncia apoio à candidatura de Kamala Harris

Lula manifesta respeito por Biden e diz que só democrata sabia se conseguiria manter candidatura

Taiwan remodela suas manobras militares para adaptá-las às ameaças chinesas

Mais na Exame