Economia

EUA: Fed deve reduzir capital exigido a bancos em proposta regulatória

Seria uma grande vitória para os bancos, que alegam que as regras teriam reduzido os lucros e prejudicado os empréstimos

Os banqueiros esperam capitalizar de um racha interno dentro do Fed. (Stefani Reynolds/Getty Images)

Os banqueiros esperam capitalizar de um racha interno dentro do Fed. (Stefani Reynolds/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 19 de maio de 2024 às 20h25.

Última atualização em 19 de maio de 2024 às 20h26.

O Federal Reserve (Fed) e dois outros reguladores federais estão avançando em direção a um novo plano que reduziria significativamente um aumento obrigatório de capital exigido de quase 20% para os maiores bancos dos EUA, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

Os aumentos de capital para bancos como o JPMorgan e o Goldman Sachs - destinados a garantir que dispõem de reservas suficientes para absorver potenciais perdas - seriam, em média, cerca de metade do que foi originalmente proposto.

Seria uma grande vitória para os bancos, que alegam que as regras teriam reduzido os lucros e prejudicado os empréstimos. Trata-se também de uma mudança no equilíbrio de poder entre os grandes bancos e os seus reguladores, virando a página numa era em que o Fed detinha a vantagem.

Em uma reunião em Washington no ano passado, o CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, disse a líderes de outros bancos para ignorarem Michael Barr, o vice-presidente do banco central para a supervisão bancária e o principal arquiteto do plano original. Dimon instou os seus colegas banqueiros a pressionarem outros dirigentes do Fed, em particular o presidente Jerome Powell, para alterarem as regras de capital propostas.

Os banqueiros esperam capitalizar de um racha interno dentro do Fed.

Dimon caracterizou a proposta de Barr como "falha e mal calibrada" e pressionou publicamente para que outros dirigentes do Fed se manifestassem. "Que pessoa, em que torre de marfim, pensa que isso é uma coisa racional a se fazer?" Dimon disse em uma conferência em setembro passado. "Gostaria de saber o que os outros governadores pensam."

Ele também expressou frustração com os reguladores em geral, dizendo na sua carta anual aos acionistas que as relações dos bancos com eles "deterioraram-se e...são cada vez menos construtivas".

Os CEOs dos grandes bancos dos EUA reuniram-se com Powell várias vezes entre julho e março passado, de acordo com o calendário público do banqueiro central. Isso incluiu quatro reuniões ou ligações com Dimon.

Na sexta-feira, 17, o Fed divulgou calendários mostrando que Barr se reuniu 15 vezes com os CEOs dos maiores bancos dos EUA durante o mesmo período. Ele também se reuniu com Dimon em abril e maio, disse um porta-voz do Fed.

Acompanhe tudo sobre:Fed – Federal Reserve SystemEstados Unidos (EUA)

Mais de Economia

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Opinião: Hidrogênio para a Neoindustrialização

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Mais na Exame