Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Ataques contra contingente da ONU no Mali deixam nove mortos

Desde 2013, a ONU conta com uma missão no norte do Mali, que sofre constantemente com ataques dos extremistas da Al Qaeda

Modo escuro

Soldado da ONU: no ataque morreram cinco guardas, um policial e um civil empregado na missão (Michael Kappeler/Reuters)

Soldado da ONU: no ataque morreram cinco guardas, um policial e um civil empregado na missão (Michael Kappeler/Reuters)

A
AFP

Publicado em 15 de agosto de 2017 às, 09h41.

Dois ataques contra o contingente da ONU no Mali deixaram nove mortos nesta segunda-feira, incluindo um capacete azul e um soldado malinês.

O primeiro ataque, ao campo da missão da ONU no Mali (Minusma) no centro do país, deixou dois mortos, um soldado malinês e um capacete azul cuja nacionalidade não foi informada.

"Supostos extremistas dispararam contra o campo da missão da ONU em Duentza (centro) de uma colina", declarou à AFP um responsável do local.

Segundo o delegado, os agressores foram "repelidos" e "abatidos".

"Foram mortos dois dos agressores e o plano de ataque dos terroristas fracassou. Enviamos reforços para garantir a segurança da cidade", acrescentou a fonte.

O norte do Mali se encontra desde março de 2012 à mercê de grupos radicais vinculados à Al-Qaeda. Desde 2013, a ONU conta com uma missão no local, que sofre constantemente com ataques dos extremistas.

Horas depois do ataque de Duentza, os homens armados com fuzis e granadas atacaram a entrada do acampamento da ONU em Tumbuctu.

No ataque morreram cinco guardas, um policial e um civil empregado na missão, cuja nacionalidade não foi especificada.

"Seis agressores foram abatidos na contra-ofensiva da Minusma após o ataque", informou a ONU.

O secretário-geral da ONU, Antônio Guterres, condenou os ataques e advertiu que a ofensiva contra as forças de paz das Nações Unidas "podem constituir crimes de guerra segundo a legislação internacional".

Nesta terça-feira, uma reunião programada há algum tempo abordará a criação de uma força militar integrada por Burkina Faso, Mali, Mauritânia, Níger e Chad para reforçar os dispositivos nacionais e multilaterais que operam na região.

Esta força, integrada por cerca de 5 mil homens, deverá estar operacional até o outono boreal, mas seu financiamento, estimado em 420 milhões de euros, não foi assegurado.

Desde março de 2012, no norte do Mali operam grupos extremistas vinculados à Al-Qaeda. Parte deles foram expulsos por uma intervenção militar internacional lançada em 2013 por iniciativa da França.

Entretanto, existem áreas que escapam ao controle das forças malinesas, francesas e da ONU, regularmente alvo de ataques.

Últimas Notícias

ver mais
EUA: governo federal está prestes a ser paralisado; entenda
Mundo

EUA: governo federal está prestes a ser paralisado; entenda

Há 15 horas
Cadáveres de aliens no México? 'Gosto do que fizeram', diz Neil DeGrasse Tyson
Mundo

Cadáveres de aliens no México? 'Gosto do que fizeram', diz Neil DeGrasse Tyson

Há 15 horas
Ucrânia diz ter rompido primeiras linhas de defesa russas
Mundo

Ucrânia diz ter rompido primeiras linhas de defesa russas

Há 16 horas
Colômbia: juíza será investigada após ser filmada se divertindo com show
Mundo

Colômbia: juíza será investigada após ser filmada se divertindo com show

Há 20 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais