Mundo

Argentinos frustrados depositam esperanças no populista Javier Milei na corrida presidencial

Cenário eleitoral do país é influenciado pela crise econômica e o empobrecimento da população, com pouco mais de 40% dos habitantes em condições vulneráveis

Milei: candidato ultradireitista da Argentina (Erica Canepa/Bloomberg/Getty Images)

Milei: candidato ultradireitista da Argentina (Erica Canepa/Bloomberg/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 16 de outubro de 2023 às 20h09.

Última atualização em 16 de outubro de 2023 às 20h24.

O candidato ultralibertário à Presidência da Argentina Javier Milei é o principal concorrente às eleições do país deste mês. Se ele emergir como o próximo presidente da Argentina será em grande parte graças ao apoio de pessoas insatisfeitas por anos por problemas econômicos do país.

Pouco mais de 40% dos 46 milhões de habitantes do país vivem na pobreza, um grande salto em relação aos pouco mais de 30% registrados no segundo semestre de 2016, segundo a agência de estatísticas argentina Indec.

Os argentinos veem esperança em Milei, um economista incendiário que se tornou legislador que se descreve como um anarcocapitalista e diz que a resposta para controlar a inflação anual que hoje ronda os 140% é livrar-se do Banco Central e dolarizar a economia. Ele também promete privatizar as empresas estatais, livrar-se dos programas de infraestrutura pública, mudar as regras trabalhistas para facilitar a demissão de funcionários e realizar uma grande reforma do governo para diminuir os gastos.

O candidato chocou a classe política argentina quando recebeu inesperadamente o maior número de votos nas primárias de agosto. Ele é o favorito para vencer as eleições presidenciais de 22 de outubro, embora as pesquisas de opinião, que foram notoriamente erradas no passado, sugiram que ele não obterá votos suficientes para evitar o segundo turno no próximo mês.

Os concorrentes mais fortes de Milei são vistos como o ministro da Economia, Sergio Massa, da coligação de centro-esquerda União para a Pátria, e Patricia Bullrich, da principal coligação da oposição, a de centro-direita United for Change.

Acompanhe tudo sobre:Argentina

Mais de Mundo

Eleição nos EUA: Trump vai inflamar ou moderar o discurso na convenção republicana?

Biden continua apresentando sintomas leves de covid-19, diz médico do presidente

Aliada de Macron é eleita presidente do Parlamento em 1º teste de forças após as eleições na França

Maduro fala em risco de 'banho de sangue' se for derrotado nas eleições da Venezuela; veja vídeo

Mais na Exame