Acompanhe:

Após Alemanha, estatal russa Gazprom corta fornecimento de gás a França e Itália

Medida acontece em meio à visita do presidente Emmanuel Macron a Kiev. Rússia afirma que problema é de manutenção após cortes à Alemanha

Modo escuro

Continua após a publicidade
Macron e Putin (foto de arquivo): estatal russa Gazprom cortou fornecimento de gás da França (Alexander Zemlianichenko/Pool/Reuters)

Macron e Putin (foto de arquivo): estatal russa Gazprom cortou fornecimento de gás da França (Alexander Zemlianichenko/Pool/Reuters)

D
Da redação, com agências

Publicado em 17 de junho de 2022 às, 12h36.

Última atualização em 17 de junho de 2022 às, 14h03.

Depois de a estatal russa Gazprom cortar parte de seu fornecimento de gás à Alemanha e outros países europeus, França e Itália também relataram nesta sexta-feira, 17, problemas no recebimento de gás russo. As movimentações acontecem em meio ao quarto mês de guerra na Ucrânia e as recentes declarações de líderes europeus de que apoiam a entrada ucraniana na União Europeia.

A França não recebe um único metro cúbico desde quarta-feira, 15, segundo anunciou hoje a operadora local GRTgaz. A Itália também teve redução no fornecimento, embora não corte total, de acordo com a empresa de energia local Eni.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

A Itália recebe da Rússia 40% de seu gás importado. A França recebe 17%, um dos europeus que menos dependem da compra com os russos — o que, para analistas, explica em parte a tentativa do presidente Emmanuel Macron de se colocar na linha de frente das negociações.

Na semana passada, a estatal russa Gazprom já havia cortado deliberadamente o fornecimento de gás à Alemanha, anteriormente sua maior compradora (agora ultrapassada pela China). O gás russo chega à Alemanha pelo gasoduto Nord Stream 1.

VEJA TAMBÉM: China supera Alemanha e se torna maior importadora de energia da Rússia

A GRTgaz disse não saber precisar o motivo do gás zerado na França. Como a maior parte das importações de gás do país vem via Alemanha no Nord Stream 1, a França pode também ter sido impactada.

Moscou tem citado problemas de manutenção, o que é rechaçado pelos governos.

Na quinta, durante visita a Kiev, na Ucrânia, o chefe do governo italiano, Mario Draghi, qualificou de "mentiras" as explicações dadas pela Gazprom para justificar a redução da oferta, incluindo operações de manutenção.

VEJA TAMBÉM: Petrobras reajusta preço da gasolina em 5,2% a partir de amanhã

"A Gazprom não precisa de nenhuma justificativa. É uma decisão política do Kremlin. Está cortando de forma diferenciada para quebrar a unidade europeia", diz o especialista Thierry Bros, professor do Instituto Sciences Po de Paris, à AFP.

Nesta quinta-feira, Draghi, Macron e o chanceler alemão, Olaf Scholz, fizeram sua primeira visita à Ucrânia desde o início da guerra, em 24 de fevereiro. Os líderes disseram apoiar a entrada da Ucrânia na União Europeia. Horas depois, já nesta sexta, a Comissão Europeia também recomendou a aceitação da adesão ucraniana, decisão vista como "histórica" por Kiev.

Disputa pelo gás

Uma série de países tiveram corte no gás russo recentemente, em retaliação de Moscou contra a resposta europeia à guerra na Ucrânia. O fluxo foi totalmente interrompido para Polônia, Bulgária e Finlândia, e reduzido para a Áustria, além das próprias Itália e Alemanha.

VEJA TAMBÉM: Cerca de 15 mil milionários devem deixar a Rússia, diz Reino Unido

Moscou pressiona onde mais dói e joga com a vulnerabilidade energética dos europeus, que consomem em média 40% do gás procedente da Rússia. Esse percentual é ainda maior em alguns países, de 55% no caso da Alemanha, e 85%, da Bulgária.

Na maioria dos países europeus, a escassez de gás ainda não é sentida, pois em pleno verão não é necessário ligar o aquecimento. Mas é justamente no período de verão que os países costumam reabastecer suas reservas, com o objetivo de estocar pelo menos 80% até novembro na UE.

VEJA TAMBÉM: Com cortes de gás da Rússia, Alemanha pede que cidadãos economizem energia

A queda nas entregas eleva os preços, o que será caro para as indústrias, especialmente na Alemanha, cujas fábricas, muitas vezes diretamente conectadas a gasodutos, precisam de grandes quantidades de gás nas indústrias química, siderúrgica, de cimento e fertilizantes.

Nesta semana, o ministro da Economia e do Clima alemão e vice-chanceler, Robert Habeck (dos Verdes), foi à televisão estatal pedir que cidadãos economizem energia. "Não devemos ter ilusões, estamos em confronto com Putin", disse o ministro.

(Com informações da AFP)

Últimas Notícias

Ver mais
Em decisão histórica, Tribunal condena Suíça por responsabilidade climática
ESG

Em decisão histórica, Tribunal condena Suíça por responsabilidade climática

Há 10 horas

Espanha pretende descartar visto especial para compradores de imóveis de fora da UE
Mundo

Espanha pretende descartar visto especial para compradores de imóveis de fora da UE

Há um dia

Ataques russos danificam 80% das usinas termelétricas ucranianas
Mundo

Ataques russos danificam 80% das usinas termelétricas ucranianas

Há um dia

Enchentes na Rússia afetam mais de 10 mil edifícios residenciais
Mundo

Enchentes na Rússia afetam mais de 10 mil edifícios residenciais

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais