Após Alemanha, estatal russa Gazprom corta fornecimento de gás a França e Itália

Medida acontece em meio à visita do presidente Emmanuel Macron a Kiev. Rússia afirma que problema é de manutenção após cortes à Alemanha
Macron e Putin (foto de arquivo): estatal russa Gazprom cortou fornecimento de gás da França (Alexander Zemlianichenko/Pool/Reuters)
Macron e Putin (foto de arquivo): estatal russa Gazprom cortou fornecimento de gás da França (Alexander Zemlianichenko/Pool/Reuters)
D
Da redação, com agências

Publicado em 17/06/2022 às 12:36.

Última atualização em 17/06/2022 às 14:03.

Depois de a estatal russa Gazprom cortar parte de seu fornecimento de gás à Alemanha e outros países europeus, França e Itália também relataram nesta sexta-feira, 17, problemas no recebimento de gás russo. As movimentações acontecem em meio ao quarto mês de guerra na Ucrânia e as recentes declarações de líderes europeus de que apoiam a entrada ucraniana na União Europeia.

A França não recebe um único metro cúbico desde quarta-feira, 15, segundo anunciou hoje a operadora local GRTgaz. A Itália também teve redução no fornecimento, embora não corte total, de acordo com a empresa de energia local Eni.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

A Itália recebe da Rússia 40% de seu gás importado. A França recebe 17%, um dos europeus que menos dependem da compra com os russos — o que, para analistas, explica em parte a tentativa do presidente Emmanuel Macron de se colocar na linha de frente das negociações.

Na semana passada, a estatal russa Gazprom já havia cortado deliberadamente o fornecimento de gás à Alemanha, anteriormente sua maior compradora (agora ultrapassada pela China). O gás russo chega à Alemanha pelo gasoduto Nord Stream 1.

VEJA TAMBÉM: China supera Alemanha e se torna maior importadora de energia da Rússia

A GRTgaz disse não saber precisar o motivo do gás zerado na França. Como a maior parte das importações de gás do país vem via Alemanha no Nord Stream 1, a França pode também ter sido impactada.

Moscou tem citado problemas de manutenção, o que é rechaçado pelos governos.

Na quinta, durante visita a Kiev, na Ucrânia, o chefe do governo italiano, Mario Draghi, qualificou de "mentiras" as explicações dadas pela Gazprom para justificar a redução da oferta, incluindo operações de manutenção.

VEJA TAMBÉM: Petrobras reajusta preço da gasolina em 5,2% a partir de amanhã

"A Gazprom não precisa de nenhuma justificativa. É uma decisão política do Kremlin. Está cortando de forma diferenciada para quebrar a unidade europeia", diz o especialista Thierry Bros, professor do Instituto Sciences Po de Paris, à AFP.

Nesta quinta-feira, Draghi, Macron e o chanceler alemão, Olaf Scholz, fizeram sua primeira visita à Ucrânia desde o início da guerra, em 24 de fevereiro. Os líderes disseram apoiar a entrada da Ucrânia na União Europeia. Horas depois, já nesta sexta, a Comissão Europeia também recomendou a aceitação da adesão ucraniana, decisão vista como "histórica" por Kiev.

Disputa pelo gás

Uma série de países tiveram corte no gás russo recentemente, em retaliação de Moscou contra a resposta europeia à guerra na Ucrânia. O fluxo foi totalmente interrompido para Polônia, Bulgária e Finlândia, e reduzido para a Áustria, além das próprias Itália e Alemanha.

VEJA TAMBÉM: Cerca de 15 mil milionários devem deixar a Rússia, diz Reino Unido

Moscou pressiona onde mais dói e joga com a vulnerabilidade energética dos europeus, que consomem em média 40% do gás procedente da Rússia. Esse percentual é ainda maior em alguns países, de 55% no caso da Alemanha, e 85%, da Bulgária.

Na maioria dos países europeus, a escassez de gás ainda não é sentida, pois em pleno verão não é necessário ligar o aquecimento. Mas é justamente no período de verão que os países costumam reabastecer suas reservas, com o objetivo de estocar pelo menos 80% até novembro na UE.

VEJA TAMBÉM: Com cortes de gás da Rússia, Alemanha pede que cidadãos economizem energia

A queda nas entregas eleva os preços, o que será caro para as indústrias, especialmente na Alemanha, cujas fábricas, muitas vezes diretamente conectadas a gasodutos, precisam de grandes quantidades de gás nas indústrias química, siderúrgica, de cimento e fertilizantes.

Nesta semana, o ministro da Economia e do Clima alemão e vice-chanceler, Robert Habeck (dos Verdes), foi à televisão estatal pedir que cidadãos economizem energia. "Não devemos ter ilusões, estamos em confronto com Putin", disse o ministro.

(Com informações da AFP)