Alemanha responsabiliza Rússia por 'risco de guerra' na Europa

Nas últimas semanas, a Alemanha foi criticada pela Ucrânia e por vários de seus parceiros ocidentais por ser muito complacente com a Rússia
 (Anatolii STEPANOV/AFP)
(Anatolii STEPANOV/AFP)
Por AFPPublicado em 13/02/2022 12:41 | Última atualização em 13/02/2022 12:42Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A Rússia tem a "responsabilidade" pelo risco de uma guerra na Ucrânia - declarou o presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, neste domingo (13), em um momento de crescente temor, por parte de europeus e americanos, de uma invasão russa ao país vizinho.

"Há um perigo de um conflito militar, uma guerra no leste da Europa, e a Rússia tem responsabilidade por isso", disse Steinmeier, após sua reeleição de cinco anos.

Social-democrata próximo ao chanceler Olaf Scholz, o presidente alemão tentou dissipar as dúvidas sobre a posição de seu país.

Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre economia e negócios.

Nas últimas semanas, a Alemanha foi criticada pela Ucrânia e por vários de seus parceiros ocidentais por ser muito complacente com Moscou.

Diante dos parlamentares nacionais e regionais, o presidente convidou a se demonstrar firmeza frente à Rússia.

"Como vemos, a paz não pode ser dada como certa. Sempre se tem que agir para preservá-la, no diálogo. Mas, quando for necessário, é preciso dizer as coisas claramente, mostrando dissuasão e determinação", frisou.

Frank Walter Steinmeier recebeu o apoio dos Verdes na terça-feira passada (4) e já contava com a aprovação de seu partido, o SPD, e dos liberais do FDP. Junto com os Verdes, eles formam a atual maioria que sucedeu aos conservadores de Angela Merkel no poder.

Eleito pela primeira vez em 2017, o presidente alemão pode cumprir no máximo dois mandatos de cinco anos.

Steinmeier é um "presidente federal muito bom, muito respeitado, que prestou grandes serviços ao nosso país durante seu primeiro mandato", justificou o "Grünen", ao anunciar seu apoio, em um comunicado.

Em maio de 2021, ele anunciou sua candidatura a um novo mandato para "ajudar a curar as feridas" infligidas pela pandemia da covid-19 à população alemã.

O cargo de presidente na Alemanha é, sobretudo, honorário, com o poder se concentrando nas mãos do chefe do governo e do Parlamento. Ainda assim, tem valor de autoridade moral do país.