Mundo

Ainda podemos barrar Suécia e Finlândia na Otan, diz presidente da Turquia

Erdogan fez a afirmação dois dias após concordar com a entrada dos países

Erdogan: presidente da Turquia disse que ainda pode barrar entrada de Finlândia e Suécia na Otan (Mustafa Kamaci/Turkish Presidential Press Office/Reuters)

Erdogan: presidente da Turquia disse que ainda pode barrar entrada de Finlândia e Suécia na Otan (Mustafa Kamaci/Turkish Presidential Press Office/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 30 de junho de 2022 às 15h55.

Apenas dois dias após concordar em retirar suas objeções para a entrada de Suécia e Finlândia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse nesta quinta-feira, 30, que o processo de ingresso poderia ainda ser bloqueado, caso os dois países não cumpram suas expectativas.

LEIA TAMBÉM: Mais tropas, novos membros: cúpula da Otan tenta mostrar 'força coletiva'

Erdogan disse, no encerramento de uma cúpula da aliança em Madri que o acordo com os dois países nórdicos foi uma vitória para Ancara, ao responder a todas as questões turcas. Ele ressaltou a exigência para que Suécia e Finlândia extraditem suspeitos de terrorismo vinculados com os grupos curdos ou a rede do clérigo exilado acusado de um fracassado golpe em 2016 na Turquia.

Mas Erdogan disse que, caso os dois países recuem de suas promessas, o Parlamento turco poderia não ratificar o acordo. O acesso à Otan precisa ser formalmente aprovado por todos os 30 membros. O presidente turco disse que a Suécia havia prometido extraditar 73 "terroristas" à Turquia e combater atividades de financiamento e recrutamento do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e grupos ligados a este. Os EUA e a União Europeia qualificam o PKK como terrorista.

O texto do memorando não cita números específicos de extradições. A delegação sueca em Madri ainda não havia respondido aos comentários de Erdogan. O governo sueco tem tentado responder a preocupações de que o acordo possa levar a extradições à Turquia sem o devido processo. O presidente finlandês, Sauli Niinisto, ressaltou que Helsinque apontou que o memorando não lista o nome de indivíduos. Segundo ele, a legislação do próprio país e acordos internacionais serão seguidos, nessas decisões.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, por sua vez, disse que desejava concluir o processo de adesão dos dois países "rapidamente". (Fonte: Associated Press)

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Finlândia e Suécia apresentam pedidos de adesão à Otan

Erdogan expressa preocupações à Otan sobre candidaturas de Finlândia e Suécia

 

Acompanhe tudo sobre:FinlândiaOtanSuéciaTurquia

Mais de Mundo

Para aumentar inovação, Xangai emite regulamento para gestão de projetos de tecnologias disruptivas

Aprovação de Lei de Bases marca nova fase de Milei, diz analista argentino

Irã está expandindo suas capacidades nucleares, diz agência de energia atômica da ONU

Inflação na Argentina cai pela metade e atinge 4,2% em maio

Mais na Exame