As 15 cidades brasileiras mais caras para comprar um imóvel

Índice FipeZAP+ revela que quatro das dez cidades com o maior valor do metro quadrado estão no litoral catarinense; veja também as capitais onde ficou mais caro comprar em 2021
Orla de Balneário Camboriú, em Santa Catarina: terceira cidade do país com o maior valor do metro quadrado para compra de imóvel | Chico Ferreira/Pulsar Imagens (Chico Ferreira/Pulsar Imagens/Reprodução)
Orla de Balneário Camboriú, em Santa Catarina: terceira cidade do país com o maior valor do metro quadrado para compra de imóvel | Chico Ferreira/Pulsar Imagens (Chico Ferreira/Pulsar Imagens/Reprodução)
D
Da Redação

Publicado em 10/01/2022 às 10:00.

Última atualização em 10/01/2022 às 10:08.

O aquecimento do mercado imobiliário se refletiu em 2021 no maior aumento do preço médio do imóvel em sete anos: 5,29%, segundo dados do Índice FipeZAP+ com base em anúncios na internet. Mas, em muitos casos, o valor médio aumentou ainda acima desse patamar: em 14 das 50 maiores cidades do país que fazem parte do indicador, o reajuste acumulado no ano passado superou a inflação projetada de 9,68%, medida pelo IPCA, do IBGE (o dado exato será conhecido nesta terça-feira, dia 11, com a divulgação do IPCA de dezembro).

Em cinco das dezesseis capitais monitoradas, a variação do preço médio dos imóveis ficou muito acima dos 10% em 2021. A maior alta foi registrada em Vitória, no Espírito Santo, com quase 20% (19,86% no dado mais exato), seguida por Maceió, em Alagoas, com 18,50%.

Veja abaixo o gráfico com as variações do preço médio do metro quadrados em 16 das maiores capitais:

Segundo especialistas, a alta expressiva de 5,29% e acima desse percentual pode ser creditada a uma conjunção de fatores.

Na ótica da oferta, a pressão nos custos de construção, principalmente de insumos como aço e outros materiais metálicos, materiais hidráulicos e madeira, todos com alta acima de 20% no ano.

O INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), da FGV, que serve como balizador dos preços da indústria da construção, encerrou 2021 em alta de 14,03%; o subíndice de materiais e equipamentos avançou ainda mais, 24,37%.

Aprenda como investir seu dinheiro para realizar o sonho da casa própria! Comece agora

Na ótica da demanda, o mercado apresentou números recordes de vendas ao longo ano em razão das menores taxas de juros da história – embora em trajetória de alta no segundo semestre, acompanhando a alta da Selic – e do apetite ainda forte das classes de alta e média-alta renda, que conseguiram preservar renda a despeito do baixo crescimento do país.

Os números do Índice FipeZAP+ no fechamento de 2021 mostraram ainda que as cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro seguem com os maiores preços médios do metro quadrado para venda, apesar da alta mais tímida ao longo do ano: 9.708 reais e 9.650 reais no último mês do ano, respectivamente.

Outro destaque foram cidades do litoral catarinense: Florianópolis e três cidades ao norte -- Balneário Camboriú, Itapema e Itajaí -- ficaram entre as dez cidades com o maior valor médio do metro quadrado entre as 50 que fazem parte do levantamento da FipeZAP+.

Veja abaixo a relação das 15 cidades com o maior preço do metro quadrado ao fim de 2021: