Marketing

Bebida da Universal diz que nasceu para acabar com a Coca-Cola

Sócio da Leão de Judá afirma em vídeos que lançou marca por revelação do Espírito Santo para substituir refrigerante americano no mundo

Leão de Judá: "Coca-Cola é água suja do inferno" (Reprodução)

Leão de Judá: "Coca-Cola é água suja do inferno" (Reprodução)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de abril de 2012 às 12h33.

São Paulo - A marca Leão de Judá Cola, criada em 1999 pelo empresário evangélico Moisés Magalhães, em sociedade com a Igreja Universal do Reino de Deus, divulgou vídeos promocionais em seus perfis no Facebook e no YouTube em que afirma ter vindo ao mercado para substituir a Coca-Cola no Brasil e no mundo.

Em um dos filmes, Magalhães conta a história do surgimento de sua marca - segundo ele, por uma revelação do Espírito Santo - e faz diversas críticas à concorrente americana. Entre elas, a de que a fórmula do produto traria cocaína em sua composição, viciando os consumidores.

"A Coca-Cola, escrita ao contrário, quer dizer 'Alô, diabo'. Ela é a água suja do inferno, para viciar a pessoa na cocaína", diz Magalhães.

"Em 1980, o presidente Ronald Reagan, tentou, através do combate à droga naquela época, mudar a formulação da Coca, e criaram até 'Coke', que não foi bem-sucedida, e eles voltaram com a receita de 1886", conta o empresário em outro vídeo.

Nos filmes, Magalhães recruta membros da igreja para trabalhar na missão de tirar a Coca-Cola do mercado por meio de uma rede que deve chegar a 7 mil distribuidores e que venderiam, além do refrigerante, os sucos e biscoitos da Leão de Judá.

Assista

https://youtube.com/watch?v=O0mPTPYbMDE

https://youtube.com/watch?v=bcBW33gVfN8

Acompanhe tudo sobre:BebidasCoca-ColaEmpresasEmpresas americanasIgreja UniversalMarcasRefrigerantes

Mais de Marketing

'Videogame gigante' vence corrida maluca em São Paulo; veja fotos de carros

Por que Ronaldinho Gaúcho criticou a Seleção Brasileira? Entenda a jogada de marketing

Red Bull promove corrida maluca (e gratuita) neste domingo em São Paulo

As Olimpíadas e as parcerias que valem ouro

Mais na Exame