A página inicial está de cara nova Experimentar close button

10 anos depois da "Titanium", aprendemos a contar histórias?

A campanha "The Hire", da BMW, faturou o GP de Cyber em Cannes 2002, bem como outros prêmios como o Clio e o Black Pencil

São Paulo - A publicidade possui alguns divisores de água em sua história. É o caso do "Just do It", da Nike, do "Think Small", da Volkswagen, por exemplo.

Mas há um case que ainda precisa servir de inspiração para as marcas: The Hire, da BMW. O Adnews aproveita os dez anos da categoria Titanium do Festival de Cannes – criada para premiar a série de filmes da montadora – para relembrar esta campanha histórica e qual sua importância no mundo criativo.

Lançada em 2001 e produzida até 2002, a série tinha como objetivo rejuvenescer a marca. "Eles pensaram: 'vamos fazer uma coisa completamente diferente'. Geralmente, há 10% da verba para a criação e 90% para a divulgação. Eles inverteram", explica Fernando Palacios, professor de Storytelling na ESPM e Diretor da Storytellers Brand´n´Fiction.

Exatamente, 90% da verba para a produção. O resultado? Nada de videozinhos feitos para a web. Eram superproduções dirigidas por nomes como John Woo (Missão Impossível 2, A Outra Face), Tony Scott (Top Gun, Chamas da Vingança), Ang Lee (Brokeback Mountain, As Aventuras de Pi), Guy Ritchie (Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes), entre outros.

Então a BMW contratou grandes nomes para dirigir seus filmes publicitários e pronto? Não. A marca e a agência "brifaram" os diretores cuidadosamente, pois quando se trata de storytelling e branded & content, é preciso equilibrar. " O ideal é 50% de pensamento de marca e 50% de storytelling no sentido da qualidade da narrativa", explica Palacios.

No case da BMW, as histórias giravam em torno de um veículo da montadora, é claro, e toda a grandiosidade e espírito dos automóveis da marca. Tudo isso com astros de peso no elenco, como Madonna, Clive Owen (o motorista dos filmes), James Brown, Gary Oldman, etc.

A campanha faturou o GP de Cyber em Cannes 2002, bem como outros prêmios como o Clio e o Black Pencil. Além disso, como já foi dito, a série de oito curtas inspirou a criação do prêmio Titanium no Festival de Cannes.

//www.youtube.com/embed/m9fgiE1JU9o?feature=player_embedded


O Brasil aprendeu?

Segundo Palacios, a publicidade, num âmbito global, ainda está aprendendo. Falando de Brasil, este ano, por exemplo, o País sagrou-se vencedor em Titanium pela primeira vez. Como? Contando uma história num vídeo que rodou o mundo por meio da internet (isto soa familiar...). A Pereira & O'Dell, agência do grupo brasileiro ABC, também faturou Grand Prix – três, aliás – com uma websérie interativa para a Intel e Toshiba.

//www.youtube.com/embed/GCoRnjxc8tQ?feature=player_embedded

Mas como criar algo tão bom quanto o "The Hire" ou "The Beauty Inside"? Pense: "as pessoas pagariam para ver meu anúncio?". Sim, é preciso conquistar o consumidor, lembre-se de que vivemos em tempos de Youtube e botões de "Pular Anúncio". A visão de que um comercial será forçado para um telespectador durante 30 segundos é ultrapassada.

Para fazer isso, o ideal é contratar profissionais na arte de contar uma boa história e equilibrar visões. "Não adianta ter um filme que todos irão assistir e que a marca não apareça, mas também não adianta ter só um anúncio", explica o professor.

Exemplos? Você já viu um clipe da música Eduardo e Mônica? Se sua resposta foi sim, o que você viu, provavelmente, foi a campanha da Vivo que inseriu a marca no contexto da música de Renato Russo.

//www.youtube.com/embed/TYy6-zUwrIY?feature=player_embedded

"A primeira questão é tem que ter emoção e ela precisa ser verdadeira, não pode ser forçada", diz Palacios.

E se a escolha da marca for por uma web série, o professor, que é formado pela USP, onde defendeu o primeiro estudo acadêmico sobre o tema Storytelling, ressalta que "uma web série que não conte uma boa história é só uma web série chata".

Em suma, será preciso equilibrar marca, conteúdo e mídia. Se tudo for feito com planejamento e profissionalismo, quem sabe, sua agência não seja a próxima a viralizar um vídeo?

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também