Acompanhe:
seloMarketing

10 anos depois da "Titanium", aprendemos a contar histórias?

A campanha "The Hire", da BMW, faturou o GP de Cyber em Cannes 2002, bem como outros prêmios como o Clio e o Black Pencil

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

L
Leonardo Araújo

Publicado em 22 de outubro de 2013 às, 16h39.

São Paulo - A publicidade possui alguns divisores de água em sua história. É o caso do "Just do It", da Nike, do "Think Small", da Volkswagen, por exemplo.

Mas há um case que ainda precisa servir de inspiração para as marcas: The Hire, da BMW. O Adnews aproveita os dez anos da categoria Titanium do Festival de Cannes – criada para premiar a série de filmes da montadora – para relembrar esta campanha histórica e qual sua importância no mundo criativo.

Lançada em 2001 e produzida até 2002, a série tinha como objetivo rejuvenescer a marca. "Eles pensaram: 'vamos fazer uma coisa completamente diferente'. Geralmente, há 10% da verba para a criação e 90% para a divulgação. Eles inverteram", explica Fernando Palacios, professor de Storytelling na ESPM e Diretor da Storytellers Brand´n´Fiction.

Exatamente, 90% da verba para a produção. O resultado? Nada de videozinhos feitos para a web. Eram superproduções dirigidas por nomes como John Woo (Missão Impossível 2, A Outra Face), Tony Scott (Top Gun, Chamas da Vingança), Ang Lee (Brokeback Mountain, As Aventuras de Pi), Guy Ritchie (Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes), entre outros.

Então a BMW contratou grandes nomes para dirigir seus filmes publicitários e pronto? Não. A marca e a agência "brifaram" os diretores cuidadosamente, pois quando se trata de storytelling e branded & content, é preciso equilibrar. " O ideal é 50% de pensamento de marca e 50% de storytelling no sentido da qualidade da narrativa", explica Palacios.

No case da BMW, as histórias giravam em torno de um veículo da montadora, é claro, e toda a grandiosidade e espírito dos automóveis da marca. Tudo isso com astros de peso no elenco, como Madonna, Clive Owen (o motorista dos filmes), James Brown, Gary Oldman, etc.

A campanha faturou o GP de Cyber em Cannes 2002, bem como outros prêmios como o Clio e o Black Pencil. Além disso, como já foi dito, a série de oito curtas inspirou a criação do prêmio Titanium no Festival de Cannes.

//www.youtube.com/embed/m9fgiE1JU9o?feature=player_embedded


O Brasil aprendeu?

Segundo Palacios, a publicidade, num âmbito global, ainda está aprendendo. Falando de Brasil, este ano, por exemplo, o País sagrou-se vencedor em Titanium pela primeira vez. Como? Contando uma história num vídeo que rodou o mundo por meio da internet (isto soa familiar...). A Pereira & O'Dell, agência do grupo brasileiro ABC, também faturou Grand Prix – três, aliás – com uma websérie interativa para a Intel e Toshiba.

//www.youtube.com/embed/GCoRnjxc8tQ?feature=player_embedded

Mas como criar algo tão bom quanto o "The Hire" ou "The Beauty Inside"? Pense: "as pessoas pagariam para ver meu anúncio?". Sim, é preciso conquistar o consumidor, lembre-se de que vivemos em tempos de Youtube e botões de "Pular Anúncio". A visão de que um comercial será forçado para um telespectador durante 30 segundos é ultrapassada.

Para fazer isso, o ideal é contratar profissionais na arte de contar uma boa história e equilibrar visões. "Não adianta ter um filme que todos irão assistir e que a marca não apareça, mas também não adianta ter só um anúncio", explica o professor.

Exemplos? Você já viu um clipe da música Eduardo e Mônica? Se sua resposta foi sim, o que você viu, provavelmente, foi a campanha da Vivo que inseriu a marca no contexto da música de Renato Russo.

//www.youtube.com/embed/TYy6-zUwrIY?feature=player_embedded

"A primeira questão é tem que ter emoção e ela precisa ser verdadeira, não pode ser forçada", diz Palacios.

E se a escolha da marca for por uma web série, o professor, que é formado pela USP, onde defendeu o primeiro estudo acadêmico sobre o tema Storytelling, ressalta que "uma web série que não conte uma boa história é só uma web série chata".

Em suma, será preciso equilibrar marca, conteúdo e mídia. Se tudo for feito com planejamento e profissionalismo, quem sabe, sua agência não seja a próxima a viralizar um vídeo?

Últimas Notícias

Ver mais
Crocs e Pringles se unem em collab e lançam bota com espaço para guardar lata de batatas
seloMarketing

Crocs e Pringles se unem em collab e lançam bota com espaço para guardar lata de batatas

Há 21 horas

Campeonato Brasileiro terá outro nome após compra de naming rights, saiba mais
seloMarketing

Campeonato Brasileiro terá outro nome após compra de naming rights, saiba mais

Há 22 horas

Gympass agora é Wellhub. Essa é a estratégia certa?
seloMarketing

Gympass agora é Wellhub. Essa é a estratégia certa?

Há 2 dias

Túlio Mêne: 5 estratégias para incorporar inteligência artificial na sua agência de publicidade
Um conteúdo Bússola

Túlio Mêne: 5 estratégias para incorporar inteligência artificial na sua agência de publicidade

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais