Invest

De olho nas big techs: veja como brasileiros podem investir na Meta - e ter direito aos dividendos

A dona do Facebook anunciou alta de 210% no lucro e a distribuição de dividendos trimestrais de US$ 0,50 por ação

Meta: dona do Facebook anunciou alta de 210% no lucro e a distribuição de dividendos trimestrais de US$ 0,50 por ação (LightRocket/Getty Images)

Meta: dona do Facebook anunciou alta de 210% no lucro e a distribuição de dividendos trimestrais de US$ 0,50 por ação (LightRocket/Getty Images)

Janize Colaço
Janize Colaço

Repórter de Invest

Publicado em 4 de fevereiro de 2024 às 07h00.

A Meta surpreendeu os mercados na última semana, depois de divulgar resultados espetaculares: uma alta de 201% em seu lucro, totalizando US$ 14 bilhões no quarto trimestre do ano passado. Junto a isso, a Big Tech ainda anunciou que irá distribuir dividendos trimestrais de US$ 0,50 por ação. Esse combo de notícias sobre a performance da dona do Facebook fez as suas ações dispararem no último pregão, com alta 20,32%, e tem feito muitos brasileiros se perguntarem como investir na companhia – e abocanhar os proventos.

Como brasileiros podem investir no Facebook?

À EXAME Invest, Daniel Haddad, diretor de Investimento da Avenue, explica que está muito fácil investir de forma direta nas Big Techs – o que inclui nomes como Meta, Alphabet (dona do Google) e Amazon, entre outras. “Existem corretoras americanas com textos em português, com foco em brasileiros. Isso possibilita o investimento direto nessas companhias.”

Segundo o especialista, esse caminho é mais eficiente, visto que a aplicação acontece de maneira direta, dando ao investidor brasileiro os mesmos direitos que a empresa oferece aos seus acionistas. “Além disso, ele terá a liquidez do papel no mercado americano e ainda se protege do risco de fronteira”, diz.

Outros caminhos pelos quais os investidores podem investir em empresas como o Facebook estando do Brasil são indiretos. Sendo eles:

BDR

É possível comprar títulos emitidos por instituições financeiras – as depositárias – que investem nesses papéis no exterior e os disponibilizam aos investidores locais por meio dos Brazilian Depositary Receipts (BDR). Eles são certificados que representam as ações dessas empresas internacionais, mas são negociados na bolsa de valores brasileira.

Fundos de investimento no exterior

Por meio de fundos de investimentos no exterior, é possível fazer aplicações nas empresas que estão fora do Brasil. Neste caso, o investidor não aplica diretamente na companhia, mas, sim, adquire uma cota no fundo.

ETF

Outra maneira indireta pela qual é possível que brasileiros invistam em empresas como o Facebook é por meio do Exchange Traded Fund (ETF). Trata-se fundos também negociados na B3 (B3SA3) semelhantemente às ações e que são constituídos de recursos destinados à aplicação em uma carteira de ações.

Os principais ETFs destinados à aplicação em empresas de tecnologia são:

  • TECK11
  • IVVB11
  • USTK11

Investidores de olho na Meta

A ampliação da base de investidores na dona do Facebook é algo mapeado pelo mercado, como aponta a estrategista de portfólio do Bank of America (BofA), Savita Subramanian. “Isso porque os fundos de renda de capital próprio representam 40% dos ativos de ações dos Estados Unidos gerenciados ativamente”, diz em relatório.

Diante dos dividendos anunciados e o otimismo com os avanços em inteligência artificial pela companhia, o banco elevou o preço-alvo das ações de US$ 425 para US$ 510. “Acreditamos que os ativos de IA da Meta não são totalmente reconhecidos no preço dos papéis.

Confira as últimas notícias de Invest:

Acompanhe tudo sobre:MetaFacebookempresas-de-tecnologiacomecar-a-investir

Mais de Invest

Resultado da Mega-Sena concurso 2716; prêmio é de R$ 2,5 milhões

Lucro da Tesla recua 48% no 1º tri, mas expectativa por carros mais acessíveis anima investidor

Na ‘guerra fria’ entre China e EUA, quem sai ganhando é o Brasil?

Receba dividendos em dólar: veja como aproveitar a alta do dólar com ações americanas

Mais na Exame