Invest

Leilão do Detran vende carros com até 50% de desconto

Evento acontece na próxima semana em Diadema, na Grande São Paulo, e será transmitido online; veja como participar

Arrematantes podem adquirir um VW Fox 1.6 Route 2008/2008 com lance inicial de R$ 9 mil (AnyVidStidio/Getty Images)

Arrematantes podem adquirir um VW Fox 1.6 Route 2008/2008 com lance inicial de R$ 9 mil (AnyVidStidio/Getty Images)

Marília Almeida

Marília Almeida

Publicado em 15 de janeiro de 2021 às 07h00.

Nos próximos dias 18 (segunda) e 19 (terça), às 14h, será realizado um leilão de veículos e sucatas do Detran de Diadema, na Grande São Paulo. Durante o evento, organizado pela Sato Leilões, os consumidores poderão arrematar 125 carros documentados, com lances a partir de R$ 1,5 mil. Também há opções para desmonte, com lances a partir de R$ 250.

Entre os destaques está o lote 20414, que oferece um modelo GM Astra HB 4P Advantage 2008/2009 com lances a partir de R$ 11 mil. Pela tabela Fipe, o valor do carro é de R$ 23,1 mil, ou seja, está sendo vendido com quase 50% de desconto.

Ganha pouco, mas gostaria de começar a guardar dinheiro e investir? Aprenda com a EXAME Academy

Já no lote 25920, os arrematantes podem adquirir um VW Fox 1.6 Route 2008/2008 com lance inicial de R$ 9 mil. O valor do veículo, pela tabela Fipe, é de R$ 19,7 mil.

Para quem busca por utilitários está disponível no lote 26803 um Fiat Ducato 15 2002/2002 com lance inicial de R$ 11 mil.

No segundo dia de evento serão leiloados os 267 lotes com sucatas, ou seja, veículos que já não podem mais voltar a circular pelas ruas.

Os interessados em participar do leilão podem conferir fotos, vídeos e detalhes de cada veículo por meio do edital do evento.

Acompanhe tudo sobre:Carroscarros-usadosLeilõesorcamento-pessoalPreços de carros usadosrenda-pessoal

Mais de Invest

O que é private equity e como funciona?

Quanto rendem R$ 20 mil por mês na poupança?

CD americano x CDB brasileiro: quais as diferenças e qual vale mais a pena investir

Goldman Sachs vê cenário favorável para emergentes, mas deixa Brasil de fora de recomendações

Mais na Exame