Acompanhe:

Yduqs ainda tem R$ 2 bi em caixa para aquisições após comprar a QConcursos

De acordo com Eduardo Parente, CEO da companhia, esse é um bom momento para ir às compras

Modo escuro

Continua após a publicidade
Fachada da Unidade Estácio Tom Jobim | Foto: Divulgação (Divulgação/Divulgação)

Fachada da Unidade Estácio Tom Jobim | Foto: Divulgação (Divulgação/Divulgação)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 19 de junho de 2021 às, 15h19.

Última atualização em 19 de junho de 2021 às, 15h22.

A Yduqs (YDUQ3), segunda maior empresa de educação do Brasil e dona de universidades como Estácio, Ibmec e Damásio, decidiu fazer sua aposta no mundo das edtechs, como são conhecidas as startups do setor de educação. Ontem, a companhia anunciou a aquisição da QConcursos, de ensino a distância (EAD) para alunos que buscam passar em concursos e também em vestibulares. O negócio, que não teve o valor revelado, foi o primeiro da Yduqs com uma empresa totalmente digital. E não deve ser o único nos próximos meses.

Invista com o maior banco de investimentos da América Latina. Abra sua conta no BTG Pactual digital

A empresa tem R$ 2 bilhões em caixa para aquisições, tanto em ensino virtual quanto no presencial. De acordo com Eduardo Parente, CEO da Yduqs, trata-se de um bom momento para ir às compras. "Tem uma fila de pessoas oferecendo negócios, já que o momento de dificuldade é grande. Há muita coisa boa aparecendo", afirma.

A QConcursos, que dobrou de tamanho nos últimos dois anos e fatura R$ 70 milhões, será parte importante em uma das grandes apostas da Yduqs: a expansão do sistema EnsineMe, uma plataforma de material didático. "Nosso ensino digital já é muito avançado, mas vamos aprender com as tecnologias adaptativas da QConcursos, que são customizadas para cada pessoa por meio de inteligência artificial, o que vai encurtar o caminho para uma personalização inédita no EAD", diz Parente.

Para William Klein, CEO da consultoria Hoper, a Yduqs se posicionou com uma das empresas que melhor entenderam o ensino a distância. Ele acredita que a companhia está caminhando para alcançar a Cogna em número de alunos em breve. A dona da Kroton, que passa por uma reestruturação, encerrou o primeiro trimestre com 920 mil alunos. A Yduqs prevê chegar a 1 milhão de alunos até 2023.

Regiões

Apesar da aposta no digital, o ensino presencial continuará a ser importante. O foco é entrar em mercados em que a empresa não é forte, como o de São Paulo e as Regiões Sul e Centro-Oeste.

O perfil das aquisições será de grandes universidades e faculdades do segmento premium, que têm sido mais resilientes na pandemia. Com marcas como Ibmec e também com a Idomed, braço que reúne as 14 escolas de medicina do grupo, o segmento premium teve alta de 44% na captação de alunos no primeiro semestre de 2021, em comparação ao ano passado.

O ensino presencial foi afetado pelas medidas de distanciamento e viu o número de entrantes cair em 30%, tendência que deve continuar no segundo semestre, pois hoje só 20% dos alunos estão estudando presencialmente nas escolas da Yduqs.

Parente acredita que, com o ritmo de vacinação acelerado, cerca de 80% dos alunos voltem às salas de aula ainda em 2021. Segundo pesquisa realizada pela Estácio com seus alunos do EAD, 85% deles gostariam de ir para o ensino presencial. "As pessoas gostam de dizer que a pandemia mostrou que vai ser o fim do ensino presencial, mas para mim só confirmou que ele é fundamental."

Se ainda está atrás da Cogna em número de alunos, a Yduqs ja é a empresa mais valiosa do setor na Bolsa. Hoje, vale cerca de R$ 10,7 bilhões, ante R$ 8,6 bilhões da rival. Mesmo assim, a companhia ainda está com um valor 40% menor do que o registrado pré-pandemia.

Segundo o analista da XP, Vitor Pini, a Yduqs está bem posicionada por ter feito poucas mudanças na sua estratégia. Por isso, enxerga que as ações podem ter uma valorização de 46% até o fim do ano. "A empresa tem um dos modelos de maior rentabilidade no setor e apostou em três frentes que deram certo: o segmento premium, o EAD e o presencial. Não precisou equilibrar tantos pratos no meio da pandemia", afirma Pini. 

Últimas Notícias

Ver mais
Análise: Petz, Cobasi e o garoto que vendeu o cachorro por R$ 1 milhão 
Exame IN

Análise: Petz, Cobasi e o garoto que vendeu o cachorro por R$ 1 milhão 

Há 10 horas

Governo apresenta nova proposta para servidores da educação, com 9% de reajuste em 2025
Brasil

Governo apresenta nova proposta para servidores da educação, com 9% de reajuste em 2025

Há 11 horas

Ministério Público cobra explicações do governo de SP sobre uso do ChatGPT para produzir aulas
Brasil

Ministério Público cobra explicações do governo de SP sobre uso do ChatGPT para produzir aulas

Há 12 horas

Petz (PETZ3) salta até 46% após anúncio de fusão e ganha R$ 700 mi em valor de mercado
seloMercados

Petz (PETZ3) salta até 46% após anúncio de fusão e ganha R$ 700 mi em valor de mercado

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais