Invest

Super Quarta: foco do mercado global será o Tesouro dos EUA, não o Fed

O plano trimestral revelará até que ponto o Tesouro dos EUA pretende aumentar a emissão de dívida de longo prazo

Super Quarta: mercado está mais focado no novo plano de financiamento do Tesouro americano (Samuel Corum/Bloomberg)

Super Quarta: mercado está mais focado no novo plano de financiamento do Tesouro americano (Samuel Corum/Bloomberg)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 30 de outubro de 2023 às 11h29.

Última atualização em 30 de outubro de 2023 às 11h58.

A decisão de juros do Federal Reserve (Fed, banco central americano) na quarta-feira, 1º,  deve ficar em segundo plano, com o mercado mais focado no novo plano de financiamento do Tesouro americano.

Plano trimestral

O plano trimestral revelará até que ponto o Tesouro dos EUA pretende aumentar a emissão de dívida de longo prazo para financiar o déficit crescente das contas públicas do país. As taxas que os investidores cobram para tomar os títulos longos do governo sobem há semanas, mesmo em meio a sinais de que o Fed já terminou seu ciclo de alta — ou está quase lá.

Os yields atingiram os níveis mais elevados desde antes da crise financeira global, e ficou mais caro para o governo emitir dívida de longo prazo. Os investidores estão ansiosos para ver se as autoridades manterão o ritmo de aumento da oferta de treasuries.

“O mercado está realmente hiperfocado na oferta agora, e já sabemos que o Fed está em compasso de espera”, disse em entrevista Angelo Manolatos, estrategista do Wells Fargo Securities. Por isso, acrescentou, o plano de financiamento do Tesouro americano será “um evento maior que o FOMC”, como é conhecido o Comitê Federal do Mercado Aberto, que define a taxa básica do Fed.

Mais emissões de treasuries

Muitas corretoras de títulos nos EUA estimam um aumento de emissões para US$ 114 bilhões, ante US$ 103 bilhões no plano trimestral anterior, mantendo o mesmo ritmo de expansão para cada prazo.

Mas várias grandes corretoras esperam um aumento menor na dívida de longo prazo, e mais emissão de notas de um ano ou menos, por conta da alta dos custos.

“A composição das emissões do Tesouro pode ser muito significativa e relevante” para o mercado, disse Subadra Rajappa, chefe de estratégia de taxas para EUA do Société Générale. Quanto ao outro evento de quarta-feira, será uma espécie de reunião de rotina para o Fed, disse ela.

Até o presidente do Fed, Jerome Powell, que já foi funcionário do Tesouro, deve ficar de olho nas reações dos investidores ao plano de financiamento. Ele e outros dirigentes do BC americano, como a chefe da regional de Dallas, Lorie Logan, que já foi chefe de operações de mercado do Fed, disseram que a alta dos yields de longo prazo pode diminuir a necessidade de aumentar a taxa básica.

A taxa do Treasury de dez anos, que ultrapassou 5% na semana passada, está em cerca de 4,9%, comparado a menos de 3,5% no início de maio. O yield de 30 anos chegou a quase 5,2% na semana passado.

Embora a secretária do Tesouro, Janet Yellen, na quinta-feira, 26, tenha rejeitado a ideia de que os yields dispararam, pelo menos em parte, por conta do aumento do endividamento federal, Powell disse este mês que isso seria um dos possíveis fatores.

Acompanhe tudo sobre:Fed – Federal Reserve SystemPolítica monetáriaTítulos públicosTesouro Nacional

Mais de Invest

Temores sobre interferência no BC são exagerados e dólar deve cair, diz Gavekal Research

Extratos bancários serão padronizados a partir de julho; veja o que muda

Seis desdobramentos da reunião do Copom que manteve a Selic em 10,50%, segundo o BTG Pactual

Qual a diferença entre Nasdaq e NYSE?

Mais na Exame