Acompanhe:

Uma pesquisa feita pelo BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da Exame) revelou que o mercado está com baixa exposição ao setor de materiais básicos. Participaram do estudo 102 gestores de fundos de investimentos, sendo 85% domiciliados no Brasil.

Dos entrevistados, 64% estão com menos exposição ao setor do que seus benchmark (underweight), 19% estão em linha e apenas 17% têm mais ações de empresas de materiais básicos que seu índice de referência. A posição no setor está abaixo da média histórica no portfólio de 53% dos entrevistados.

A maior parte dos entrevistados (65%) tem menos de 10% do portfólio em ações de materiais básicos. A fatia é bem menor que a ocupada pelo setor nos principais índices de ações. Na composição do Ibovespa, somente a Vale (VALE3) equivale a 14,67%.

A tendência, segundo analistas do BTG Pactual, é de que os gestores mantenham os baixos níveis de exposição ao setor.

O que explica o pessimismo com o setor?

O principal argumento para a baixa exposição, segundo a pesquisa, são as preocupações com o mercado imobiliário chinês, que atravessa uma crise diante do alto grau de endividamento de gigantes do setor.

Mais recentemente, a Country Garden, uma das maiores construtoras da China, deixou investidores em estado de alerta para a possibilidade de não conseguir honrar suas dívidas. O temor só foi resfriado após a empresa selar um acordo com os credores para adiar o pagamento. O contexto negativo para o setor foi considerado por 89% dos entrevistados como uma das principais causas para a maior cautela com ações de materiais básicos.

A China, vale recordar, é a maior importadora do minério de ferro brasileiro. A commodity subiu cerca de 16% na bolsa de Dalian nas últimas três semanas, diante das tentativas da China reacelerar sua economia. A segunda principal causa é a "falta de disciplina no lado da oferta", citada por apenas 9% dos entrevistados.

Apesar da alta recente, que levou o preço do minério para próximo de US$ 116, 64% dos gestores acreditam na desvalorização da commodity até o fim do ano. Somente 5% acreditam que o preço se sustentará acima de US$ 110.

O maior pessimismo tem concentrado as apostas vendidas no setor de mineração e siderurgia, também dependente do preço do minério de ferro. Entre as ações favoritas entre as de materiais básicos para a montagem de posições vendidas estão as da CSN (CSNA3), Vale e Usiminas (USIM5), com 25%, 15% e 14% das preferências, respectivamente. O mercado de celulose, também considerado de materiais básicos, aparece apenas quinta posição entre os favoritos para ficar vendido, com a Suzano, com 8% das preferências.

Por outro lado, a Suzano aparece em segundo quando o assunto é a posição comprada favorita em materiais básicos, com 26% das preferências. Vale e Gerdau (GGBR3), estão entre as preferidas para as posições compradas por 44% e 20% dos gestores entrevistados, respectivamente. A Gerdau, em pesquisas anteriores, era a preferida para as posições compradas.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Vale (VALE3): cinco perguntas para entender impasse na sucessão da mineradora
seloMercados

Vale (VALE3): cinco perguntas para entender impasse na sucessão da mineradora

Há 10 horas

Impasse na sucessão da Vale: Previ quer divulgação de ata de reunião que expôs empate
seloMercados

Impasse na sucessão da Vale: Previ quer divulgação de ata de reunião que expôs empate

Há 11 horas

Carteira recomendada do BTG para março tira Vale (VALE3) e amplia exposição a setores mais cíclicos
seloOnde Investir

Carteira recomendada do BTG para março tira Vale (VALE3) e amplia exposição a setores mais cíclicos

Há 17 horas

Ibovespa fecha em alta com surpresa (positiva) do PIB de 2023
seloMercados

Ibovespa fecha em alta com surpresa (positiva) do PIB de 2023

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais