Acompanhe:

O momento de queda no mercado acionário da China parece que não vem despertando o apetite de alguns investidores. Em entrevista à Bloomberg, a diretora de Tecnologia da Informação do Goldman Sachs, Sharmin Mossavar-Rahmani, foi enfática: "Nossa opinião é que não se deve investir na China".

A executiva disse nesta terça-feira que investir na China pode ser arriscado, apesar das recentes quedas no mercado de ações do país. Ela também expressou preocupação com a trajetória econômica do país na próxima década.

Para sustentar seu argumento, Mossavar-Rahmani falou que a China terá dificuldades com o enfraquecimento dos três pilares do crescimento até agora - o mercado imobiliário, a infraestrutura e as exportações. "A falta de clareza na formulação de políticas na China, juntamente com dados econômicos irregulares, aumentam as preocupações quanto a investimentos no país", acrescentou.

Ela também observou incertezas na direção da política da China, especialmente com relação a medidas de segurança da informação e restrições à remoção de dados do país.

"Não está claro qual será a direção geral da política a longo prazo", disse Mossavar-Rahmani. "As incertezas políticas geralmente limitam um pouco o mercado acionário."

Em fevereiro, o índice de referência CSI 300 (que representa cerca de 60% do valor de mercado de Xangai e Shenzhen) caiu para o nível mais baixo em cinco anos em meio a preocupações com a situação da demanda doméstica em um momento de escalada das tensões geopolíticas. Desde então, ele se recuperou depois que órgãos reguladores tomaram medidas para conter as vendas e aumentar as compras institucionais.

Ela disse que as medidas atuais são possíveis medidas de estímulo de curto prazo, mas sugerem que o setor imobiliário da China ainda não se estabilizou.

"Os dados não são claros. Realmente não temos uma boa noção de qual foi o crescimento no ano passado ou qual será o crescimento neste ano", ecoando as preocupações de vários economistas que duvidam dos números oficiais de expansão econômica da China.

Apesar da China anunciado uma taxa de crescimento acima de 5% para 2023, ela afirmou que "a maioria das pessoas acha que esse não é o número real de crescimento - na verdade, foi muito mais fraco".

Meta modesta chinesa

Na terça-feira, a China fixou uma (modesta, para muitos economistas) meta oficial de crescimento de cerca de 5% para este ano e a promessa de criar 12 milhões de empregos em meio a preocupações crescentes com o mercado de trabalho.

O país espera criar mais de 12 milhões de vagas em áreas urbanas e manter a taxa de desemprego urbano em cerca de 5,5% este ano, disse o primeiro-ministro chinês Li Qiang em seu relatório de trabalho apresentado na sessão de abertura do Congresso Nacional do Povo.

Li disse que uma política fiscal proativa e uma política monetária prudente serão mantidas, com a proporção do déficit em relação PIB definida em 3% e o déficit do governo aumentará em 180 bilhões de yuans (US$ 26 bilhões) em relação ao valor do orçamento de 2023.

Neste mês, a China anunciou que em 2023 houve o menor volume de investimento estrangeiro direto desde a década de 1990.

Os passivos de investimento direto da China, uma medida que inclui os lucros retidos de empresas estrangeiras no país, aumentaram em US$ 33 bilhões em 2023, uma queda de 81,7% em relação a 2022, de acordo com dados da Administração Estatal de Câmbio. e o menor valor anual desde 1993.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Tensões no Oriente Médio, juros na China e prévia da Eztec: os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Tensões no Oriente Médio, juros na China e prévia da Eztec: os assuntos que movem o mercado

Há 15 horas

China: Banco do Povo mantém juros de linha de empréstimos de médio prazo (MLF) de 1 ano em 2,5%
Economia

China: Banco do Povo mantém juros de linha de empréstimos de médio prazo (MLF) de 1 ano em 2,5%

Há 16 horas

Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses
Mundo

Estados Unidos se preocupa com ascensão da venda de carros chineses

Há 18 horas

Conflito no Oriente Médio: resposta de Israel, apoio dos Estados Unidos e sombra de China e Rússia
Mundo

Conflito no Oriente Médio: resposta de Israel, apoio dos Estados Unidos e sombra de China e Rússia

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais