Invest

Por que o BTG recomenda comprar Petrobras (PETR4), mesmo sem os dividendos extraordinários

Banco avalia que mercado ainda revisará para cima os lucros da companhia; "classificação de compra não depende apenas da capacidade de pagar dividendos extras"

Petrobras (PETR3) (Paulo Whitaker/Reuters)

Petrobras (PETR3) (Paulo Whitaker/Reuters)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 8 de março de 2024 às 12h49.

Última atualização em 8 de março de 2024 às 13h02.

O anúncio de que a Petrobras (PETR4) não irá distribuir como dividendo extraordinário o lucro remanescente de R$ 43,9 bilhões pegou o mercado de surpresa. Mesmo com a perspectiva de que a companhia reteria parte do valor, o consenso do mercado era de que a companhia ainda distribuiria um valor extra de R$ 15 bilhões a R$ 25 bilhões. Com a decisão, as ações da companhia caem perto de 13%, provocando uma perda de R$ 62 bilhões em valor de mercado.

Apesar da reação negativa do mercado, analistas do BTG (do mesmo grupo controlador da Exame) ainda veem razões para recomendar a compra da ação. Em relatório, o banco admite que a não distribuição de dividendos extras aumenta a percepção de risco sobre a companhia, mas afirma que "a classificação de compra na Petrobras não se baseia apenas na capacidade da empresa de pagar dividendos extras".

As bases da recomendação de compra, afirmou o BTG, é a geração de caixa de 2024, que o banco espera que fique acima do consenso de mercado. "Com base nos últimos anos, há grandes probabilidades de que a Petrobras proporcione maior produção e menor investimento. Isto, combinado com os preços do petróleo, irá provavelmente desencadear uma onda de revisões positivas dos lucros no futuro", afirma o BTG em relatório.

O segundo motivo para a manutenção da recomendação de compra, afirmou o BTG, é a confiança de que “os mecanismos de governança corporativa podem prevalecer". "Se estivermos certos, mesmo assumindo uma alocação de capital abaixo da média, dificilmente veríamos fusões e aquisições ou quaisquer pagamentos relacionados a liquidações de passivos fiscais ocorrendo no segundo trimestre, pois teriam que seguir inúmeros procedimentos e aprovações dos comitês internos e independentes da empresa".

O que será feito com o lucro remanescente?

Quanto ao dinheiro destinado à reserva da Petrobras, o BTG não vê outra utilidade senão a distribuição aos acionistas, a menos que alterem o estatuto social da empresa.

O banco também avalia que o dinheiro destinado à reserva seria suficiente para comprar 100% da Vibra e uma participação de 50% na refinaria Maratipe. "Além disso, mesmo assumindo a orientação de investimento para 2024, a Petrobras ainda deverá gerar US$ 4 bilhões em dinheiro extra este ano, o que significa que a reserva de capital continuaria a crescer."

Acompanhe tudo sobre:PetrobrasBTG PactualAções

Mais de Invest

Walmart (WALM34) registra lucro líquido de US$ 5,1 bilhões e supera expectativas no 1T24

Marfrig (MRFG3) reverte prejuízo e tem lucro líquido de R$ 62,6 milhões no 1º trimestre de 2024

Imposto de Renda: segundo lote de pagamento tem correção de 1%; veja calendário

Desenrola Fies: prazo para renegociar até 99% da dívida termina dia 31; veja como participar

Mais na Exame