Acompanhe:

'Petróleo a US$ 100 é uma barreira psicológica importante', diz presidente da Petrobras

Prates informou ainda que a negociação para a venda da participação da Novonor na Braskem "está evoluindo", e que a estatal, como sócia, tem o direito de preferência para adquirir o ativo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Prates informou ainda que a negociação para a venda da participação da Novonor na Braskem "está evoluindo" (Roque de Sá/Agência Senado)

Prates informou ainda que a negociação para a venda da participação da Novonor na Braskem "está evoluindo" (Roque de Sá/Agência Senado)

A Petrobras não deve mexer nos preços dos combustíveis no momento, mas avalia de perto o movimento do mercado para não perder a rentabilidade. De acordo com o presidente da estatal, Jean Paul Prates, os reajustes virão se o patamar de preço do petróleo for consolidado, como ocorreu no último aumento de 16 de agosto. Para ele, se a commodity atingir US$ 100, como está sendo previsto para outubro, "será uma barreira psicológica importante".

"Os modelos por enquanto estão indicando que é possível manter (o preço dos combustíveis) no mesmo patamar, sem haver absolutamente nenhum risco para a rentabilidade da empresa", disse Prates, após evento com atletas olímpicos patrocinados pela estatal.

Prates afirmou que em momento nenhum o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com quem se reuniu na última segunda-feira, 25, pediu para segurar os preços, e reforçou que o objetivo continua sendo abrasileirar os preços.

"Abrasileirar os preços não é uma coisa de campanha (presidencial). A gente mudou o modelo e vai ajustar quando o novo patamar estiver consolidado", afirmou, destacando que as refinarias da empresa estão operando com fator de utilização de 94%, bem acima do que operavam no ano passado. "Isso porque a Regap (MG) vai entrar em manutenção", disse o executivo.

Braskem

Prates informou ainda que a negociação para a venda da participação da Novonor na Braskem "está evoluindo", e que a estatal, como sócia, tem o direito de preferência para adquirir o ativo. A decisão, porém, ainda não foi tomada, segundo o executivo.

"Braskem está evoluindo. A gente está começando a receber as informações e dando um foco nisso aí. A gente está lá dentro, tem direito de preferência já sendo sócia da Braskem, mas não está comprando participação nova na Braskem. Vamos analisar se vale a pena ou não", explicou.

A Petrobras tem uma participação minoritária, mas relevante na Braskem. Segundo fontes, a participação da estatal será decisiva para o fechamento do negócio.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Donas da Ozempic e Mounjaro dobram de tamanho em um ano e superam valor de todo o mercado brasileiro
seloMercados

Donas da Ozempic e Mounjaro dobram de tamanho em um ano e superam valor de todo o mercado brasileiro

Há 15 horas

BCE pode ter razões para cortar juros antes do Fed pela primeira vez, diz Gavekal
seloMercados

BCE pode ter razões para cortar juros antes do Fed pela primeira vez, diz Gavekal

Há 18 horas

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 120 milhões na poupança
seloMercados

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 120 milhões na poupança

Há 18 horas

Na expectativa dos resultados do 4T23, BRF (BRFS3) dispara no Ibovespa e puxa alta de frigoríficos
seloMercados

BRF (BRFS3) dispara no Ibovespa e puxa alta de frigoríficos

Há 19 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais