Acompanhe:

Mercados emergentes devem ser os vencedores da década, diz o Morgan Stanley

Gestora do grupo está diminuindo exposição aos EUA e aumentando posição em mercados em desenvolvimento

Ações de emergentes têm múltiplos de preço/lucro atraentes, diz Morgan Stanley (Mario Tama/Getty Images)

Ações de emergentes têm múltiplos de preço/lucro atraentes, diz Morgan Stanley (Mario Tama/Getty Images)

S
Selcuk Gokoluk, da Bloomberg

24 de janeiro de 2023, 14h08

As ações de mercados emergentes devem ser as vencedoras desta década, disse Jitania Kandhari, vice-diretora chefe de investimentos e chefe de pesquisa macroeconômica para mercados emergentes do Morgan Stanley.

A gestora Morgan Stanley Investment Management está tirando dinheiro do mercado de ações dos Estados Unidos para aumentar sua exposição a mercados em desenvolvimento, afirmou Kandhari. Segundo ela, as ações de emergentes têm múltiplos de preço/lucro atraentes, e economias como a da Índia caminham para um crescimento melhor do que os EUA.

“A cada década, surge um novo líder no mercado. Na década de 2010, foram ações dos EUA e gigantes de tecnologia”, disse Kandhari em entrevista por telefone. “Os líderes desta década podem claramente ser os mercados emergentes e ações internacionais.” O Morgan Stanley IM tem US$ 1,3 trilhão em ativos sob gestão.

A classe de ativos teve um início de ano forte, com alta de 8,6% do índice de mercados emergentes MSCI, em comparação com avanço de 4,7% do índice de referência dos EUA.

A decisão da China de abandonar a rígida política Covid Zero melhorou as perspectivas econômicas, enquanto os investidores se posicionam para o fim de aumentos agressivos de juros. Vários também ainda veem as ações dos EUA como caras, enquanto os papéis de mercados emergentes são negociadas com quase 30% de desconto.

Há uma crescente desconexão entre a participação cada vez menor dos EUA na economia global e o valor de mercado de suas ações, disse Kandhari. Juntamente com alocações de fundos para mercados emergentes bem abaixo das médias históricas e moedas baratas, há muito espaço para desempenho superior dos emergentes, disse ela.

“O que realmente impulsiona essa classe de ativos é o diferencial de crescimento, e esse diferencial de crescimento dos mercados emergentes está melhorando em relação aos EUA”, disse ela.

As economias emergentes devem crescer, em média, 4,1% em 2023 e 4,4% em 2024, de acordo com estimativas compiladas pela Bloomberg. São perspectivas superiores às estimativas para os EUA, de 0,5% e 1,2%, respectivamente.

(Com a colaboração de Srinivasan Sivabalan)