Medo de recessão, crise dos combustíveis, CVC, Eneva e o que mais move os mercados

Bolsas globais operam sem direção definida em meio a preocupações com a política de aperto monetário do Fed
Painel de cotações em NY: medo de recessão traz volatilidade aos mercados (Andrew Kelly/Reuters)
Painel de cotações em NY: medo de recessão traz volatilidade aos mercados (Andrew Kelly/Reuters)
Por Beatriz QuesadaPublicado em 23/06/2022 07:05 | Última atualização em 23/06/2022 08:00Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O risco de recessão global volta a preocupar investidores, com as principais bolsas da Europa em queda e os índices futuros americanos operando entre perdas e ganhos. 

Na véspera, houve algum alívio nos mercados após Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), afirmar que a economia dos EUA estava forte e preparada para o ciclo de aperto monetário. Por outro lado, o dirigente do Fed admitiu que a recessão é uma “possibilidade”, o que levou as bolsas a virarem para o negativo ainda ontem

A grande preocupação é de que o ciclo de aperto monetário do Fed prejudique a economia americana e, consequentemente, a economia global. Na última semana, a autoridade monetária dos EUA elevou a taxa de juros em 0,75 ponto percentual (p.p.), maior aumento em quatro décadas.

Desempenho dos indicadores às 7h (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): - 0,30%
  • S&P 500 futuro (Nova York): - 0,17%
  • Nasdaq futuro (Nova York): + 0,22%
  • FTSE 100 (Londres): - 0,17%
  • DAX (Frankfurt): - 1,00%
  • CAC 40 (Paris): - 0,41%
  • Hang Seng (Hong Kong): + 1,26%
  • Shangai Composite (Xangai): + 1,62%

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Queda do petróleo

Uma recessão implica em redução da atividade econômica e queda do consumo dos produtos que mantém a economia em funcionamento. Um deles é o petróleo. O preço do barril da commodity vem enfrentando consecutivos dias de perdas desde que a elevação de juros foi anunciada nos EUA. Nesta quinta-feira, o petróleo Brent cai 2% é negociado em torno da marca de US$ 109 por barril, em seu menor nível em um mês.

  • Petróleo Brent: - 1,88%, a US$ 109,63
  • Petróleo WTI: - 1,94%, a US$ 104,12

Crise dos combustíveis e Petrobras

No cenário local, investidores monitoram de perto a crise em torno dos preços dos combustíveis e como a medida pode impactar as contas públicas e a Petrobras (PETR3/PETR4)

Para conter a escalada de preços em ano eleitoral, o governo discute um auxílio para caminhoneiros entre R$ 600 a R$ 1.000 por mês após a proposta inicial de R$ 400 mensais ter desagradado os representantes da categoria. A medida pode ser regulamentada via decreto de estado de emergência, única forma de driblar as restrições impostas pela lei eleitoral, que impede a criação e a ampliação de programas sociais em ano de eleição. O aumento de gastos pressiona o cenário fiscal brasileiro e pode impactar os mercados.

Em relação à Petrobras, a ameaça de instalação de uma CPI ficou travada no Congresso, ainda sem conseguir as assinaturas necessárias para início da investigação. Defendida por Jair Bolsonaro, a CPI investigaria a política de preços da estatal, condenada pelo governo. 

Vale lembrar que a União é o maior acionista da Petrobras e que os preços já vêm sendo represados. Cálculos do analista Pedro Soares, do BTG Pactual (do mercado grupo de controle da Exame), mostram que a companhia perde R$ 7,5 bilhões de Ebitda a cada US$ 15 dólares de defasagem de preços.

Precificação das ofertas de CVC e Eneva

No mercado corporativo, a CVC (CVCB3) e a Eneva (ENEV3) precificam hoje suas ofertas subsequentes de ações (follow-on). 

No caso da CVC (CVCB3), serão emitidas 46,5 milhões de ações ordinárias – e a oferta ainda pode aumentar em 25% dependendo da demanda. A companhia espera utilizar os recursos arrecadados principalmente para pagamento de dívidas emitidas por meio de debêntures e para o reforço do capital de giro para "desenvolvimento da estratégia de crescimento". 

Já a Eneva (ENEV3) irá emitir 300 milhões de ações. O principal objetivo com a operação é utilizar os recursos levantados para financiar a aquisição das Centrais Elétricas do Sergipe (CELSEPAR) e das Centrais Elétricas Barra dos Coqueiros (CEBARRA).

Veja também