Acompanhe:

Itaúsa (ITSA4) e fundo canadense negociam fatia da Neoenergia (NEOE3)

Transação pode movimentar cerca de € 500 milhões, segundo pessoas familiarizadas com o assunto

Modo escuro

Continua após a publicidade
Neoenergia (NEOE3) é controlada pela Iberdrola, com sede em Bilbao (Neoenergia/Divulgação)

Neoenergia (NEOE3) é controlada pela Iberdrola, com sede em Bilbao (Neoenergia/Divulgação)

C
Cristiane Lucchesi, Rodrigo Orihuela e Peter Millard, da Bloomberg

Publicado em 23 de janeiro de 2023 às, 19h34.

Última atualização em 23 de janeiro de 2023 às, 20h19.

A Itaúsa (ITSA4), holding das famílias Sebutal e Villela no Brasil, e o fundo canadense Caisse de Dépôt et Placement de Québec (CDPQ) estão entre os interessados em adquirir uma fatia minoritária em linhas de transmissão da Neoenergia (NEOE3), segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

O GIC, que administra as reservas internacionais de Singapura, e o fundo de pensão canadense Ontario Teachers também estão na negociação, disseram as pessoas, pedindo para não serem identificadas porque as discussões são privadas. A transação deve levantar cerca de € 500 milhões imediatamente, mais investimentos futuros, disseram as pessoas. O JPMorgan e o Itaú estão assessorando a Neoenergia, segundo as pessoas.

Neoenergia, Itaúsa, Ontário Teacher, CDPQ, JPMorgan e Itaú não quiseram comentar. O GIC não respondeu a pedidos de comentários.

A Neoenergia — controlada pela Iberdrola SA, com sede em Bilbao, que detém uma participação de 53,5% — tem cerca de 18 linhas de transmissão, das quais nove já em operação com cerca de 2,3 mil km, informou a empresa em apresentação.

Eduardo Capelastegui Saiz, presidente da Neoenergia, disse em teleconferência com analistas em outubro que a empresa busca um “sócio financeiro” e não um “sócio industrial” porque a ideia não é vender o controle ou abrir mão da gestão.

"O sócio entraria em linhas que estão em operação, mas também se comprometeria a investir em lotes futuros. É uma parceria de longo prazo”, disse ele, acrescentando que “neste momento, temos oito ou nove linhas em operação, então haveria caixa imediato” para a empresa. "O objetivo é anunciar um acordo ainda no primeiro semestre deste ano", pois temos muitos interessados, mas é uma operação complexa”, disse Saiz.

Ele não falou sobre os bancos contratados para assessorar a operação nem os nomes dos investidores interessados.

LEIA TAMBÉM

Últimas Notícias

Ver mais
Ibovespa fecha estável e encerra maior sequência de quedas do ano
seloMercados

Ibovespa fecha estável e encerra maior sequência de quedas do ano

Há 10 horas

Privatização da Sabesp e balanços de Netflix e TSMC: 3 assuntos que movem o mercado
seloMercados

Privatização da Sabesp e balanços de Netflix e TSMC: 3 assuntos que movem o mercado

Há 12 horas

De olho em family offices, Arbor Capital lança versão 'light' de fundo agressivo
seloMercados

De olho em family offices, Arbor Capital lança versão 'light' de fundo agressivo

Há 13 horas

Biomm vai trazer similar do Ozempic ao Brasil; ação dispara 38%
Exame IN

Biomm vai trazer similar do Ozempic ao Brasil; ação dispara 38%

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais