IPCA-15, petróleo acima de US$ 100, Cielo anuncia novo CEO e o que mais move o mercado

Investidores adotam maior cautela, enquanto seguem à espera de discurso de Jerome Powell em Simpósio de Jackson Hole
Petróleo volta a subir, após ir à mínima desde início da guerra na Ucrânia na semana passada (./Getty Images)
Petróleo volta a subir, após ir à mínima desde início da guerra na Ucrânia na semana passada (./Getty Images)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 24/08/2022 às 07:36.

Última atualização em 24/08/2022 às 07:58.

O mercado internacional segue de lado na manhã desta quarta-feira, 24, com baixa oscilação dos principais indicadores. Os movimentos contidos desta manhã evidenciam a maior cautela de investidores antes do esperado discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, em Jackson Hole, na sexta-feira, 26. A expectativa é de que a tradicional participação do chairman do Fed no maior evento de economia dos Estados Unidos dê novas pistas sobre o que esperar para o futuro da política monetária americana.

Enquanto crescem as perspectivas de que o caminho para o controle da histórica inflação americana seja mais longo do que o imaginado meses atrás, o mercado segue sem saber qual será o próximo passo do Fed. As apostas seguem dividas entre uma nova alta de juros de 0,75 ponto percentual e uma, mais branda, de 0,50 p.p., que levaria a taxa para o intervalo entre 2,75% e 3%.

O presidente do Fed de Minneapollis, Neel Kashkari endossou o coro por uma política mais contracionista. Em discurso da última tarde, Kashkari afirmou sinalizou que não é o momento de recuar na luta contra a a alta de preços e reforçou a necessidade de manter as expectativas sobre a inflação futura ancoradas. "Definitivamente, queremos evitar que essa situação se desenvolva", afirmou.

As declarações foram de encontro com as sinalizações de James Bullard, presidente do Fed de St. Louis, que recentemente sugeriu que um aperto mais duro em setembro seria o mais apropriado. Até lá, no entanto, ainda serão divulgados novos dados de inflação e mercado de trabalho dos Estados Unidos, que podem trazer um novo contorno ao debate.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desempenho dos indicadores às 7h40 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): - 0,07%
  • S&P 500 futuro (Nova York): - 0,04%
  • Nasdaq futuro (Nova York): - 0,10%
  • FTSE 100 (Londres): - 0,43%
  • DAX (Frankfurt): - 0,16%
  • CAC 40 (Paris): + 0,15%
  • Hang Seng (Hong Kong)*: - 1,32%
  • Shangai Composite (Xangai)*: - 1,86%

IPCA-15: deflação em agosto?

No Brasil, será divulgado a prévia do  Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) de agosto. O consenso da Bloomberg para o dado previsto para às 9h é de deflação de 0,83% na primeira quinzena do mês, indo a 9,49% na comparação anual. A esperada queda da inflação tem como pano de fundo os sucessivos anúncios de redução do preço do combustível pela Petrobras, além de medidas tributárias para reduzir o valor cobrado em postos de abastecimento.

Petróleo volta a subir

Embora tenha contribuído para o arrefecimento dos combustíveis, o preço do petróleo tem voltado a subir, com sinais de corte de produção da OPEP+ e níveis mais baixos que o esperado para os estoques dos Estados Unidos. O petróleo brent, referência para a política de preços da Petrobras, sobe nesta manhã, voltando a ser negociado acima de US$ 100. Novos dados sobre os estoques de petróleo americanos serão divulgados nesta quarta.

Na semana passada, o preço do barril chegou a cair para a mínima desde o início da guerra na Ucrânia, próximo de US$ 91, diante de negociações sobre o acordo nuclear com o Irã. O acordo, se revivido, irá derrubar as sanções sobre o petróleo persa, aumentando a oferta global.

Novo CEO da Cielo

A Cielo (CIEL3) anunciou na última noite que Estanislau Bassols aceitou o convite de assumir a presidência da companhia. Bassols é atualmente presidente da divisão da Mastercard no Brasil e deve deixar o cargo até o fim deste mês. Em sua carreira, Bassols também presidiu a SKY e a VR Benefícios.

O Conselho da Cielo voltará a se reunir em 1 de setembro para deliberar a eleição de Estanislau Bassols ao cargo de presidente. A posse só ocorrerá após aprovação do Banco Central. Renata Andrade Daltro dos Santos seguirá, interinamente, como presidente da Cielo.

Leia também: