Inflação americana, alta das commodities, 3R e o que mais move o mercado

Mercado americano caminha para quebrar maior sequência de quedas semanais em mais de vinte anos
Equipamento de extração de petróleo: commodity é negociada a US$ 115 (Daniel Acker/Bloomberg)
Equipamento de extração de petróleo: commodity é negociada a US$ 115 (Daniel Acker/Bloomberg)
Por Guilherme GuilhermePublicado em 27/05/2022 07:15 | Última atualização em 27/05/2022 07:25Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O mercado internacional dá continuidade à sequência positiva nesta sexta-feira, conforme investidores seguem à procura de barganhas. O S&P 500, principal índice de Wall Street, caminha para fechar a semana com alta de mais de 4%, quebrando a série mais longa de quedas semanais desde 2001, com 7 consecutivas.

Além da busca por ativos que tenham ficado baratos com as quedas recentes, sinalizações de que o Federal Reserve (Fed) não aumentará a intensidade da alta de juros nos Estados Unidos contribuíram para o sentimento do mercado nesta semana. Mais sensível às expectativas de aperto monetário, o índice Nasdaq já subiu 3,4% desde segunda-feira, devolvendo parte das última perdas. Somente nas últimas sete semana, o índice da bolsa de tecnologia americana havia acumulado 20,3% de baixa.

Mas dados desta sexta ainda podem embaralhar as perspectivas de investidores sobre os próximos passos do Fed. Isso porque às 9h30 será divulgado o Índice de Preço sobre Despesas para Consumo Pessoal (PCE, na sigla em inglês), considerado uma das principais referências para o Fed sobre o comportamento da inflação americana.

A expectativa é de que o núcleo do PCE referente ao mês de abril desacelere de 5,2% para 4,9% na comparação anual. Um número abaixo do esperado para a divulgação de hoje pode aumentar ainda mais a confiança de investidores sobre uma política mais branda por parte do Fed. Investidores também estarão atentos à variação da renda americana, que deve dar mais pistas sobre pressões inflacionárias nos salários.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

  • Veja a seguir o desempenho dos indicadores às 7h (de Brasília):

    • Hang Seng (Hong Kong): + 2,89%
    • SSE Composite (Xangai): + 0,23%
    • FTSE 100 (Londres): + 0,04%
    • DAX (Frankfurt): + 0,71%
    • CAC 40 (Paris): + 0,83%
    • S&P futuro (Nova York):+ 0,28%
    • Nasdaq futuro (Nova York): + 0,40%

Commodities em alta

O tom positivo no exterior deve contribuir para a bolsa brasileira, que caminha para a terceira alta semanal seguida e a 11ª dos últimos 13 pregões. O movimento ainda deve ser fortalecido pela alta das commodities, que pode impulsionar algumas das ações com mais peso no Ibovespa.

O minério de ferro fechou em forte alta de 4,5% nesta madrugada. A valorização foi motivada pela expectativa de que o governo chinês dê mais estímulos para cumprir sua meta de crescimento para este ano, segundo a Reuters. Na véspera, a commodity havia caído, após o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, ter alertado que em alguns aspectos a economia da China está pior que em 2020.

O petróleo brent também sobe nesta manhã, voltando a ser negociado próximo de US$ 115 por barril. A valorização ocorre em meio à perspectiva de oferta mais apertada nos Estados Unidos e maior demanda, com o início do verão (do hemisfério norte), que marca a temporada de viagens no país.

3R

A 3R (RRRP3) firmou contrato para a venda de gás natural da Bacia do Recôncavo com a companhia Bahiagás. O contrato tem vigência até dezembro de 2023. "A parceria comercial entre a 3R e a Bahiagás está alinhada com a estratégia da Companhia de constantemente avaliar alternativas para a melhor monetização de sua produção e para diversificação de clientes, de modo a promover geração de valor aos acionistas" disse a 3R em fato relevante.