Invest

Ibovespa sobe e fecha acima de 129 mil com altas de Petrobras e Vale; Suzano desaba

Investidores reagem negativamente à notícia sobre possível aquisição da International Paper pela Suzano; ação caiu 12,3%

Ibovespa: mercado acompanha primeiro dia de Copom (Germano Lüders/Exame)

Ibovespa: mercado acompanha primeiro dia de Copom (Germano Lüders/Exame)

Rebecca Crepaldi
Rebecca Crepaldi

Repórter de finanças

Publicado em 7 de maio de 2024 às 10h34.

Última atualização em 7 de maio de 2024 às 17h48.

O Ibovespa, principal índice acionário do Brasil, fechou o pregão desta terça-feira, 7, em alta de 0,58%, a 129.210 pontos. O movimento foi impulsionado pelas ações da Petrobras, que subiram 2,42% (PETR4) e 1,22% (PETR4). A Vale (VALE3) também teve importante contribuição, subindo 0,62%. As duas companhias são as que possuem maior peso no índice.

Ibovespa hoje

  • IBOV: +0,58% aos 129.210 pontos

Outro fator que ajudou a sustentar a bolsa brasileira no azul foi a boa repercussão das movimentações do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA). Ontem, o presidente do Fed de Richmond, Tom Barkin, e o presidente do Fed de Nova York, John Williams, discursaram durante à tarde.

As falas foram vistas com otimismo, já que estão alinhadas com o último discurso mais ameno do presidente Jerome Powell, e podem reforçar que os juros nos Estados Unidos começarão a ser cortados em setembro deste ano.

Apesar do movimento positivo, o principal destaque do pregão foi a queda das ações da Suzano, que desabaram 12,27% em meio a rumores sobre uma possível oferta pela rival International Paper. O valor proposto, segundo fontes da Reuters, seria próximo do valor de mercado da própria Suzano, que estaria em negociações para financiar a aquisição.

De olho nos balanços

A temporada de balanços também fez preço no pregão desta terça. Um destaque de segunda-feira, 6, foi Rede D'Or (RDOR3), que encerrou o primeiro trimestre de 2024 com lucro líquido de R$ 840,3 milhões. O número considera a incorporação da SulAmérica, concluída em dezembro de 2022, e representa uma alta de 176% ante o mesmo período de 2023. Durante a abertura, a companhia figurou entre as maiores altas, com suas ações subindo 9,34%.

Em relatório divulgado, os analistas do BTG Pactual (mesmo grupo controlador da Exame) disseram que o EBITDA e o lucro nos superaram em 10% e 22%, respectivamente. Para eles, os resultados foram melhores do que esperado e foram marcados pelo crescimento significativo no negócio hospitalar e uma grande melhoria de rentabilidade no setor de seguros.“A receita líquida totalizou R$ 13,8 bilhões (em linha com a nossa). O Ebtida contábil foi de R$ 1,9 bilhão (+42% a/a), superando nossa projeção em cerca de 10%, impulsionado principalmente pela Sulamerica.” O BTG recomenda compra para as ações da Rede D’Or, com preço-alvo de R$ 40.

Já a maior alta do dia ficou com as ações da Vamos, que dispararam 13,05%, também na esteira do balanço do primeiro trimestre. A companhia de locação de caminhões aumentou seu lucro líquido em 8,2% na comparação anual para R$ 183 milhões.

Acompanhe tudo sobre:Ibovespabolsas-de-valoresBraskemTIMRede D’Or São LuizItaúEmbraerPetrobrasFed – Federal Reserve SystemCopom

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2735; prêmio acumulado é de R$ 35 milhões

Política fiscal virou refém do governo, diz Verde

Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio de R$ 35 milhões

Caixa abre cadastro de imóveis que serão comprados pelo governo e doados a famílias do RS

Mais na Exame