Invest

Goldman teme que rali das ações americanas de 2023 já tenha acabado

Depois de subir cerca de 7% em um mês, o S&P 500 agora precifica sinais de crescimento econômico melhor do que o esperado e queda nos yields dos títulos do Tesouro americano

Goldman acredita que as alternativas às ações americanas — inclusive dinheiro em caixa, crédito e ações fora dos EUA — estão mais atraentes (Lucas Jackson/Reuters)

Goldman acredita que as alternativas às ações americanas — inclusive dinheiro em caixa, crédito e ações fora dos EUA — estão mais atraentes (Lucas Jackson/Reuters)

B

Bloomberg

Publicado em 6 de fevereiro de 2023 às 13h43.

Última atualização em 7 de fevereiro de 2023 às 07h40.

O rali das ações americanas neste início de ano pode ter sido seu melhor momento em 2023, segundo estrategistas do Goldman Sachs.

Depois de subir cerca de 7% em um mês, o S&P 500 agora precifica sinais de crescimento econômico melhor do que o esperado e queda nos yields dos títulos do Tesouro americano, disseram os estrategistas liderados por David Kostin. Ao mesmo tempo, múltiplos de preços altos, lucros medíocres e juros elevados significam que há pouco espaço para o rali se estender, disseram. É uma visão compartilhada por Michael Wilson do Morgan Stanley.

Os estrategistas do Goldman elevaram seu preço-alvo de três meses para o índice de referência americano de 3,6 mil para 4 mil pontos, mas isso ainda implica uma queda de 3% em relação ao último fechamento. E eles mantiveram sua meta para o final de 2023 em 4 mil pontos, sugerindo que não veem potencial de alta para o resto do ano.

Kostin, que permaneceu relativamente pessimista em relação às ações americanas ao longo de todo o ano passado por conta da desaceleração enconômica, não está sozinho ao achar que o mercado de renda variável dos EUA enfrenta outro ano difícil, após o pior desempenho anual desde 2008.

Wilson, do Morgan Stanley, que ficou em primeiro lugar no ranking da Institutional Investor do ano passado, disse que não acredita que a recuperação desde a mínima de outubro represente um novo mercado de alta, embora a confiança do investidor tenha melhorado.

Apostas em uma economia americana resistente, sinais de inflação mais branda e otimismo com a diminuição do ritmo de aperto monetário do Federal Reserve estimularam o apetite por tomada de risco. Mas Kostin alertou para “o risco substancial de queda” para as ações no caso de uma recessão.

O estrategista do Goldman disse que as alternativas às ações americanas — inclusive dinheiro em caixa, crédito e ações fora dos EUA — estão mais atraentes.

Seus colegas do JPMorgan concordam que os mercados internacionais parecem “muito mais interessantes” do que os EUA, onde os múltiplos de preço estão mais altos.

Acompanhe tudo sobre:AçõesBloombergbolsas-de-valoresEstados Unidos (EUA)Goldman SachsMercado financeiroMorgan Stanley

Mais de Invest

"Se Lula indicar nome pior que Galípolo para o BC, o mercado entrará em pânico", diz Marilia Fontes

Mesmo chamada de ‘perda fixa’ a renda fixa pode pagar até IPCA + 7,5%; veja 2 títulos

Ibovespa opera em alta e tenta sustentar os 121 mil pontos com ajuda de Petrobras (PETR4)

Receita libera consulta ao segundo lote do IR 2024; veja quando a restituição será depositada

Mais na Exame