Acompanhe:

Gafisa (GFSA3): ação tem maior queda da história em véspera de AGE. Saiba o que está em jogo

Ações passam por montanha-russa em meio à batalha entre os principais acionistas da empresa; em sete pregões, papéis chegaram a bater 440% de alta

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ações da Gafisa desabam 25% nesta sexta-feira, 6 (Nuthawut Somsuk/Getty Images)

Ações da Gafisa desabam 25% nesta sexta-feira, 6 (Nuthawut Somsuk/Getty Images)

G
Guilherme Guilherme

Publicado em 6 de janeiro de 2023 às, 19h48.

Última atualização em 6 de janeiro de 2023 às, 20h28.

A disputa entre os principais acionistas da Gafisa (GFSA3), a Esh Capital e o investidor Nelson Tanure, tem provocado extrema volatilidade no preço das ações. Nesta sexta-feira, 6, os papéis fecharam com desvalorização de 25%, a maior de toda a sua história na bolsa, iniciada em 2006. Ao longo do pregão, a amplitude entre os preços máximo e mínimo em que a ações foram negociadas superou 30 pontos percentuais.

O sobe e desce da Gafisa ocorre em um momento considerado crítico para a batalha entre Esh e Tanure, que irão se enfrentar na segunda-feira, 9, em Assembleia Geral Extraorindária requerida pela própria Esh. Na ordem do dia, estarão pautas-bomba. Entre elas, a destituição dos membros dos conselhos de administração e fiscal por "quebra dos deveres fiduciários", além da responsabilização de administradores e membros do conselho "pelos prejuízos causados à companhia em decorrência de atos ilícitos e operações irregulares entre 2019 e 2022".

Esh em guerra com a Gafisa

As alegações da Esh são de que Nelson Tanure é o "controlador oculto" da Gafisa e que estaria adotando diversas práticas que caracterizam o exercício do "poder de controle abusivo e dissimulado", buscando, inclusive, "provocar a queda do preço das ações no mercado, como forma de maximizar vantagem extraída da condição de contraparte em operações societárias envolvendo a companhia". A Esh ainda alega que a Gafisa realizou operações de compras de terrenos da Wotan Realty por meio de "estruturas para acobertar o interesse de Nelson Tanure".

A AGE de segunda-feira também prevê a deliberação sobre a eleição de novos administradores e conselheiros e o cancelamento do aumento de capital privado, aprovado pelo conselho da Gafisa em 25 de novembro".

O aumento de capital previa a emissão a R$ 5,89 de 13,256 milhões de ações ordinárias — cerca de 35% do total já emitido pela companhia. Mas segundo a Esh, a operação provocaria uma diluição "injustificável" das participações acionárias — alegação rebatida pela companhia, que afirma que o dinheiro da emissão é necessário para "viabilizar a aquisição de novos empreendimentos e equalizar a dívida".

O aumento de capital, que elevaria a participação de Tanure em relação à fatia da Esh na Gafisa, estava previsto para ser creditado nesta sexta, às vésperas da AGE, mas foi barrado por uma liminar do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. A Gafisa informou que iria recorrer da decisão e pleitear uma "indenização pelos prejuízos incorridos".

A Gafisa também rebateu as criticas da Esh relacionadas à idoneidade de seus conselheiros e administradores, afirmando haver "inexistência de qualquer elemento que permita a imputação de responsabilidade", recomendando seus acionistas a rejeitarem, na AGE, todas as propostas solicitadas pela Esh Capital.

Ações disparam 440%

Para aumentar a voz dentro da Gafisa, a Esh tem elevado sua participação na companhia. A gestora atingiu 5,34% em 12 de dezembro, quando as ações estavam próximas da mínima histórica, cotadas abaixo de R$ 6. Em 28 de dezembro, a fatia da Esh no negócio já era superior a 15% das ações.

O crescimento de participação só foi menor que a valorização das ações da Gafisa, que chegaram a bater R$ 33,94 na máxima desta sexta — o maior patamar desde julho de 2021. A disparada, que chegou a 440% em apenas sete pregões, teve início com a alta de 28,6% em 28 de dezembro, um dia antes de a Esh Capital informar o aumento de participação na Gafisa para 15,10%

A forte valorização se estendeu para os dias seguintes, levando fundos que estavam vendidos no papel (apostando na queda) a desmontarem suas posições. Em apenas uma semana, a quantidade de ações da Gafisa com empréstimos em aberto caiu de 8,23 milhões para 5,7 milhões. Só que para devolver o empréstimo e encerrar as posições vendidas, os fundos que apostavam na desvalorização dos papéis precisaram adquirir as ações a um preço mais elevado, retroalimentando as ordens de compra.

Quem apostou na queda da ação antes do Natal, quando a ação estava cotada a R$ 6,25, pode ter perdido mais de quatro vezes o valor do aporte, caso tenha desmontado a posição na quinta-feira, 5, quando o papel fechou a R$ 30,70.

Nesta sexta, pelo menos os vendidos tiveram algum alívio, com os papéis fechando a R$ 23. Mas como uma AGE-bomba marcada para a noite de segunda-feira, 9, a única previsibilidade é de que a volatilidade está longe do fim.

Últimas Notícias

Ver mais
Ao infinito e além: Nvidia ultrapassa US$ 2 trilhões em valor de mercado
seloMercados

Ao infinito e além: Nvidia ultrapassa US$ 2 trilhões em valor de mercado

Há 3 horas

Ibovespa agora: bolsa opera em queda e Vale (VALE3) sobe 2% com balanço
seloMercados

Ibovespa agora: bolsa opera em queda e Vale (VALE3) sobe 2% com balanço

Há 4 horas

Mesmo com vacinação baixa, lucro da Moderna surpreende e ação dispara 13%
seloMercados

Mesmo com vacinação baixa, lucro da Moderna surpreende e ação dispara 13%

Há 5 horas

Banco Central da Holanda vê prejuízo disparar 660% e culpa juros
seloMercados

Banco Central da Holanda vê prejuízo disparar 660% e culpa juros

Há 5 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais