Acompanhe:

Fusões e aquisições devem ter 2023 desafiador após queda este ano, diz S&P

Mercado global de M&A tem queda de 35% de valor até o terceiro trimestre de 2022

Modo escuro

Continua após a publicidade
Fusões e aquisições: mercado tem espaço para se recuperar no próximo ano (Anyaberkut/Getty Images)

Fusões e aquisições: mercado tem espaço para se recuperar no próximo ano (Anyaberkut/Getty Images)

B
Beatriz Quesada

Publicado em 30 de dezembro de 2022 às, 14h00.

Última atualização em 30 de dezembro de 2022 às, 14h27.

O ano de 2022 foi desafiador para o mercado de fusões e aquisições (M&A), e os desafios devem continuar na mesa para 2023. Levantamento da Standard & Poor's (S&P), agência global de rating, mostrou que o valor total levantado com operações de M&A caiu 35% nos primeiros nove meses de 2022.

"O mercado de M&A continuará a enfrentar ventos contrários no curto prazo. No entanto, devido ao declínio acentuado na atividade em 2022, as negociações não devem diminuir ainda mais em 2023", disse, em nota, Joe Mantone, gerente de mesa de notícias da S&P Global Market Intelligence

“Pode levar algum tempo até que vejamos os volumes de fusões e aquisições atingirem os níveis de 2021, mas superar os totais de 2022 não deve ser uma tarefa difícil”, completou.

O grande obstáculo para o mercado neste ano foi o ciclo de alta nos juros americanos, que subiram cinco vezes consecutivas este ano. Na última decisão,  o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) elevou a taxa de juro em 0,50 ponto percentual (p.p.), para o intervalo entre 4,25% e 4,5% — o nível mais alto desde 2007. 

Leia também: Depois de “inverno”, bolsa deve ter retomada tímida de IPOs em 2023

“Taxas de juro mais altas e valuations mais baixos nas ações criaram obstáculos significados para o mercado. Durante grande parte de 2022, as operações se tornaram menos atraentes para muitas empresas de private equity porque o custo mais alto da dívida torna mais desafiador alcançar os obstáculos de retorno por meio do uso da alavancagem”, informou o relatório do S&P, publicado em novembro.

O documento aponta que, quando as ações estão em baixa, as empresas ficam mais relutantes em emitir novos papéis a preços baixos e usar os recursos para financiar fusões e aquisições. Lembrando que o mercado de ações americano caminha para encerrar 2022 como seu pior ano desde 2008.

Além disso, os preços mais baixos das ações reduzem os valuations das empresas, fazendo com que os vendedores em potencial relutem em acionar os negócios com avaliações mais baixas.

Últimas Notícias

Ver mais
Dólar avança com tensão geopolítica e encerra a semana com ganhos de 2,11%
seloMercados

Dólar avança com tensão geopolítica e encerra a semana com ganhos de 2,11%

Há um dia

Itaú revisa projeções e espera que Fed faça apenas um corte de juros em 2024
Economia

Itaú revisa projeções e espera que Fed faça apenas um corte de juros em 2024

Há um dia

Petróleo sobe em meio a risco de ataque iraniano a Israel
seloMercados

Petróleo sobe em meio a risco de ataque iraniano a Israel

Há um dia

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, observando sinais dos EUA e com força de mineradoras
seloMercados

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, observando sinais dos EUA e com força de mineradoras

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais