Invest

EUA aumenta emissão de Treasuries longos menos do que esperado

Autoridades podem estar preocupadas com o salto do custo da dívida nos últimos meses

Título dos EUA: autoridades podem estar preocupadas com o salto do custo da dívida nos últimos meses (Samuel Corum Bloomberg via Getty Images/Getty Images)

Título dos EUA: autoridades podem estar preocupadas com o salto do custo da dívida nos últimos meses (Samuel Corum Bloomberg via Getty Images/Getty Images)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 1 de novembro de 2023 às 15h11.

Última atualização em 1 de novembro de 2023 às 15h15.

O Tesouro americano aumentou as emissões de títulos de longo prazo previstas para este trimestre, ligeiramente menos do que a maioria dos principais players do mercado esperava. É um sinal de que as autoridades podem estar preocupadas com o salto do custo da dívida nos últimos meses.

O Tesouro dos EUA disse que vai oferecer US$ 112 bilhões em títulos de longo prazo em leilões na próxima semana, incluindo Treasuries de três, dez e 30 anos. Muitos grandes dealers previam US$ 114 bilhões, o que teria mantido o ritmo de aumento de emissões do plano trimestral anterior.

Déficit fiscal dos EUA

A principal diferença desta vez foi um ritmo mais lento no aumento das colocações de dez e 30 anos, com a venda de títulos de 20 anos inalterada.

Embora a secretária do Tesouro, Janete Yellen, tenha rejeitado a ideia de que os rendimentos exigidos pelo mercado dispararam por conta do aumento do endividamento federal, os participantes do mercado destacam preocupações crescentes com o aumento do déficit fiscal dos EUA.

O Tesouro, em seu comunicado desta quarta-feira, 1°, disse que estima que só precisará de mais um aumento trimestral de emissões de longo prazo.

“Como essas mudanças trarão um progresso substancial no sentido de alinhar os tamanhos dos leilões com as necessidades de financiamento projetadas, o Tesouro prevê que provavelmente será necessário um aumento trimestral adicional” disse o Tesouro.

Venda da dívida

O departamento afirmou que seus planos “continuarão a depender de uma variedade de fatores, incluindo a evolução das perspectivas fiscais” e o ritmo e a duração da redução da carteira de Treasuries do Federal Reserve (Fed, banco central americano). A instituição está permitindo que até US$ 60 bilhões por mês de seus títulos vençam sem reposição, forçando o governo a vender mais dívida para o mercado.

Leilões da próxima semana:

  • US$ 48 bilhões em Treasuries de três anos, no dia 7 de novembro, comparado a US$ 42 bilhões na rolagem de agosto e US$ 46 bilhões no último leilão em outubro
  • US$ 40 bilhões em notas de dez anos, no dia 8 de novembro, ante US$ 38 bilhões no último trimestre
  • US$ 24 bilhões em títulos de 30 anos, no dia 9 de novembro, ante US$ 23 bilhões
  • Além de rolar vencimentos, a emissão levantará cerca de US$ 9,8 bilhões em dinheiro novo
Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Títulos públicosTesouro Nacional

Mais de Invest

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 86 milhões na poupança

Como investir na Nasdaq?

"Se Lula indicar nome pior que Galípolo para o BC, o mercado entrará em pânico", diz Marilia Fontes

Mesmo chamada de ‘perda fixa’ a renda fixa pode pagar até IPCA + 7,5%; veja 2 títulos

Mais na Exame