Invest

Escalada de tensão no Oriente Médio, petróleo a US$ 90, GPA vende Êxito e o que mais move o mercado

Intensificação de conflito na região preocupa investidores; bolsas sobem após dois dias de perdas por inflação mais alta nos EUA

Uma equipe de emergência palestina dirige outro após um ataque aéreo israelense contra edifícios no campo de refugiados de Jabalia, na Faixa de Gaza, em 9 de outubro de 2023 (Mahmud HAMS/AFP)

Uma equipe de emergência palestina dirige outro após um ataque aéreo israelense contra edifícios no campo de refugiados de Jabalia, na Faixa de Gaza, em 9 de outubro de 2023 (Mahmud HAMS/AFP)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 16 de outubro de 2023 às 08h42.

Última atualização em 16 de outubro de 2023 às 08h47.

O conflito no Oriente Médio chega a sua segunda semana, com a possibilidade de envolvimento de outros países da região se tornando cada vez mais real. Israel, que sofreu um ataque surpresa do Hamas, intensificou a ofensiva em Gaza e bombardeou a Síria após alarmes do sistema antiaéreo nas Colinas de Golã, território anexado por Israel na década de 1960.

Escalada do conflito e alta do petróleo

A tensão também aumenta com os libaneses do Hezbollah, enquanto o Irã emite alertas em defesa da Palestina. Os persas, por outro lado, negam qualquer participação no planejamento do ataque a Israel no fim de semana passado como chegou a ser noticiado pelo Wall Street Journal.

Nos mercados, o conflito tem provocado aumento da volatilidade e, especialmente, do preço do petróleo. A commodity saltou mais de 5% na sexta-feira, 13, voltando a ser negociada acima de US$ 90 por barril. Investidores tem que uma possível participação de Teerã na guerra levante sanções contra o petróleo iraniano, reduzindo a oferta já represada pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP+).

Inflação dos EUA no retrovisor

A discussão do preço do petróleo passa por seus potenciais efeitos na inflação global. Esse, inclusive, foi um dos temores que permearam o mercado no fim da última semana, quando o Índice de Preço ao Consumidor dos Estados Unidos (CPI, na sigla em inglês) voltou a superar as estimativas.

A alta, em setembro, foi de 0,4% ante consenso de 0,3%, levando a permanência do CPI acumulado de 12 meses em 3,7%. A projeção era de queda para 3,6%. Investidores temem que agora, com a alta do petróleo, a inflação americana tenha algum repique que obrigue o Federal Reserve a permanecer com os juros elevados por mais tempo. Parte dos economistas, no entanto, vê a chance de essa alta ter um efeito contrário sobre a inflação, dado seus potenciais danos à atividade econômica.

Mercados pela manhã

Nesta segunda-feira, 16, o clima é de recuperação no mercado internacional. Índices futuros de Nova York sobem nesta manhã, enquanto o dólar recua contra as principais moedas do mundo.

GPA: pré-acordo para venda do Êxito

O GPA (PCAR3) informou nesta madrugada um pré-acordo com o Grupo Calleja para a venda de sua participação remanescente de 13,31% no Êxito. A compra se daria por uma oferta pública de aquisição da totalidade das ações do Êxito na Colômbia e Estados Unidos. O Grupo Casino com 34,05% do Êxito, , também são partes do Pré-Acordo e se comprometeram a vender sua participação na OPA.

Que horas abre a bolsa de valores?

O horário de negociação na B3 vai das 10h às 17h. A pré-abertura ocorre entre 9h45 e 10h, enquanto o after-market ocorre entre 17h25 e 17h30. Já as negociações com o Ibovespa futuro ocorrem entre 9h e 17h55.

Acompanhe tudo sobre:Ibovespabolsas-de-valores

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2736; prêmio acumulado é de R$ 40 milhões

Musk recebe sinal verde de acionistas da Tesla para remuneração bilionária

50 empresas que geraram mais valor aos acionistas; apenas uma é do Brasil

Vale prevê que vendas de minério e aglomerados ao Oriente Médio podem chegar a 67 milhões de t

Mais na Exame